“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Curso sobre Justiça Restaurativa alcança objetivo


Participaram técnicos da Vara Infracional da Infância e Juventude e do Juizado Criminal
Com a promessa de novo tempo, encerrou-se na sexta-feira (13), o curso Justiça Restaurativa, realizado pela Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef) em parceria com a Assessoria da Gestão da Inovação (Agin) do Tribunal de Justiça (TJMG). O curso, direcionado para técnicos da Vara Infracional da Infância e da Juventude e do Juizado Especial Criminal de Belo Horizonte, teve como objetivo difundir essa prática inovadora e capacitar servidores na metodologia. Com duração de quatro meses, foi ministrado pela professora e psicóloga Mônica Mumme.
Na saudação de encerramento, a 3ª vice-presidente do TJMG e coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos, desembargadora Márcia Milanez, demonstrou a alegria de ver seu sonho realizado: trazer a justiça restaurativa para o TJMG. "Tenho certeza de que todos vocês serão capazes de implantar esse projeto maravilhoso, que busca reatar as relações entre ofensor e vítima e restabelecer a paz." Ressaltou a importância do momento e sua fé nos homens, agradecendo à professora Mônica Mumme por ter ajudado a construir esse projeto piloto e aos participantes que, com amor, o levarão adiante.
Confiante na aplicação desse projeto desafiador, a juíza Flávia Birchal, do Juizado Especial Criminal de Belo Horizonte, agradeceu a acolhida por parte da desembargadora Márcia Milanez ao incluir o Juizado Criminal nessa iniciativa. Lembrando o empenho da desembargadora para a implantação da justiça restaurativa, o juiz Carlos Frederico Braga da Silva, da Vara Infracional da Infância e da Juventude, destacou que a justiça é assunto de todos. Nesse sentido, elogiou o formato do curso, que reuniu diferentes profissionais com objetivo comum: "Não tem como dar errado quando tantas pessoas boas dizem sim". Convidando todos a persistir no projeto, propôs que fosse formada, naquele momento, a Turma da Mônica, num sincero agradecimento à professora do curso.
ACOLHIDA - Emocionada, a psicóloga Mônica Mumme agradeceu ao TJMG, por meio da desembargadora Márcia Milanez, a oportunidade de estar com esse grupo. Elogiou o compromisso e a seriedade dos participantes e a acolhida carinhosa. "Fui recebida com sorrisos, perguntas, discordâncias e questões complexas. Naturalmente, a justiça restaurativa foi criando vida no curso e nos espaços compartilhados. Não tem mais volta, não adianta desistir", declarou.
Ao final do encontro, foi distribuído CD com o conteúdo do curso. No verso da capa, foi impressa a letra da música Novo Tempo, do compositor Ivan Lins, como um convite à construção de nova Justiça. Na oportunidade, o diretor executivo de Desenvolvimento de Pessoas, Paulo de Figueiredo e Silva, falou da alegria da Escola Judicial em participar desse projeto inovador, compartilhando emoções, pensamentos e experiências.
Para as servidoras Virgínia Rocha e Marcela Andrade, da Vara Infracional da Infância e da Juventude, o curso foi gratificante. Elogiaram o formato, dividido em módulos, os encontros, as aulas práticas, entre outros aspectos. Destacaram o envolvimento da professora Mônica Mumme e revelaram o desejo de conhecer outras experiências relacionadas à Justiça restaurativa.

MG.GOV.BR. Ter, 17 de Abril de 2012 

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...