“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

TJMS realiza ciclo de palestras sobre Justiça Restaurativa

Evento alusivo à Semana Nacional da Justiça Restaurativa nas Escolas acontece até sexta-feira para professores e alunos do MS


Educadores participam de abertura e palestra da Semana Nacional de Justiça Restaurativa nas Escolas na Capital (divulgação)

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) abriu, na segunda-feira, o ciclo de palestras da Semana Nacional da Justiça Restaurativa nas Escolas, comemorado em todo o País entre 7 e 10 de novembro, com a finalidade de levar a conhecimento da população o projeto, desenvolvido pela Coordenadoria da Infância e Juventude de MS (CIJ/TJMS), com discussão de assuntos de extrema importância relacionados aos adolescentes e à sociedade.
Na Capital, a II Semana da Justiça Restaurativa está sendo realizada na Escola Estadual Lúcia Martins Coelho e contou na abertura com a participação do desembargador Eduardo Machado Rocha, responsável pela CIJ/MS, que destacou a importância dos caminhos tomados a partir da instituição do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) na proteção dos jovens e na recondução dos jovens infratores dentro da sociedade. O desembargador também destacou a importância do apoio que o Tribunal de Justiça do Estado vem recebendo das escolas e das varas responsáveis pelo tratamento desses jovens, com ações para prevenção da violência nos estabelecimentos de ensino e restauração de atos infracionais por meio da Justiça Restauradora nas Escolas.
Além de palestras com especialistas nos assuntos que dizem respeito ao tratamento dos jovens quanto a criminalidade também foi programada uma mesa redonda com a participação da promotora Vera Bogalho Frost Vieira, do defensor público Eugênio Luiz Damião e da facilitadora da Justiça Restaurativa Juvenil, Marineide da Silva Pedreira.
Ontem, começou um curso de capacitação para professores e coordenadores das escolas municipais e estaduais atendidas pela Justiça Restaurativa na Escola, que termina hoje, em que os participantes foram divididos em três turmas de 25 profissionais para receber orientações quanto às práticas restaurativas e estudo de casos.
Na quinta-feira (10), às 19 horas, será realizada uma palestra para pais e alunos na Escola Municipal Hércules Maymone, com o intuito de sensibilizá-los para a responsabilização de atos e omissões, e ainda sobre o papel de cada um na escola. A intenção é unir pais, alunos, escola e Judiciário rumo a um futuro de paz.

O PROJETO

O projeto Justiça Restaurativa nas Escolas Estaduais em MS foi instituído em 2012 pelo acordo de cooperação técnica entre o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul e a Secretaria de Estado de Educação, com a finalidade de atender alunos da rede pública estadual, objetivando a prevenção de conflitos no âmbito escolar. As atividades desenvolvidas pelo projeto tiveram início em setembro de 2012 em três escolas que receberam o projeto piloto. Atualmente 19 escolas da rede estadual são atendidas, contemplando aproximadamente 20 mil alunos. Hoje o projeto é vinculado ao programa Cultura, Arte e Paz (CAP) da Secretaria de Estado de Educação.
Entre as principais atividades desenvolvidas pelo projeto estão ações preventivas, por meio de diálogos restaurativos com os alunos, objetivando trabalhar questões relacionadas à violência na escola, além de resolução de conflitos, reunião com os pais e capacitação de multiplicadores. A equipe da Justiça Restaurativa na Escola é composta por psicólogos, bacharel em Direito e professores que realizam diariamente visitas às escolas, nos turnos matutinos e vespertinos, para os atendimentos de resolução de conflitos e o desenvolvimento das ações preventivas.

INOVAÇÃO

Com o projeto Justiça Restaurativa, o Poder Judiciário de MS, por meio da Coordenadoria da Infância e da Juventude, inova e serve de referência para outros estados brasileiros ao disseminar a cultura da paz na sociedade e oferecer novas formas de lidar com as situações presentes nas relações que ocorrem nas instituições educacionais. Trata-se de um novo modelo de justiça que amplia a ação a partir da perspectiva da vítima e da consideração do sofrimento ocasionado pela violência. (Com Assessoria de Comunicação do TJMS).

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...