“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

CIJ realizará II Encontro de Justiça Restaurativa

Encontro acontece nos dias 21 e 22 de setembro

Inscrições serão gratuitas e poderão ser realizadas no início de setembro pelo site do TJ.
Inscrições serão gratuitas e poderão ser realizadas no início de setembro pelo site do TJ. (Foto: TJMS)


Nos dias 21 e 22 de setembro, a Coordenadoria da Infância e da Juventude, por meio da Escola Judicial de MS (Ejud-MS), realizará o II Encontro de Justiça Restaurativa em Mato Grosso do Sul. O evento terá como finalidade a capacitação e posterior treinamento de voluntários multiplicadores para passarem a atuar nesta técnica de diálogo. O encontro será aberto ao público e contará com grandes especialistas na temática da Justiça Restaurativa e Círculos de Construção de Paz. As inscrições serão gratuitas e poderão ser realizadas no início de setembro pelo site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, porém as vagas são limitadas. Justiça Restaurativa é um programa da Coordenadoria da Infância e da Juventude que atende 26 escolas, sendo 21 da Rede Estadual de Educação e 5 da Rede Municipal de Educação, com previsão de ampliação para mais quatro escolas e extensão para a rede estadual de Dourados. O programa da Justiça Restaurativa atende adolescentes infratores de pequeno potencial ofensivo no resgate dos valores, realizando acordos consensualizados, sendo apresentado como um novo modelo de justiça, que busca soluções pacíficas no âmbito escolar, cujo foco está em prevenir conflitos, propiciando a execução de uma justiça mais educativa e de uma educação mais justa. É executado em ações conjuntas entre o Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul, Secretaria Estadual de Educação (SED) e a Secretaria Municipal de Educação (SEMED), para as escolas públicas, e a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (SEJUSP) para os casos judicializados. Entre as principais atividades desenvolvidas pelo programa estão ações preventivas, por meio de diálogos restaurativos com os alunos, visando trabalhar questões relacionadas à violência na escola, além de resolução de conflitos, reunião com os pais e capacitação de multiplicadores. A equipe é muito pequena para as proporções quantitativas de alunos e para isso é necessária a adesão de voluntários. A equipe da Justiça Restaurativa na Escola é composta de pedagogos, psicopedagogos, psicólogos, servidores do Tribunal de Justiça e professores que realizam diariamente visitas às escolas, nos turnos matutino e vespertino, para os atendimentos de resolução de conflitos e o desenvolvimento das ações preventivas. Sendo cinco cedidos pela SED e quatro cedidos pela SEMED. A Justiça Restaurativa objetiva, além da resolução de conflitos e da prevenção de processos, instaurar a Cultura da Paz, incentivando o respeito à vida, o ouvir e compreender o outro por meio dos valores declarados.



Justicia Restaurativa por Virginia Domingo (19.08.2017)

Posted: 19 Aug 2017 10:49 PM PDT
La comunidad sufre también el impacto del delito y debe ser tenida en cuenta como víctima secundaria. Ya he hablado de la pérdida del sentimiento de seguridad y de la confianza en nuestros semejantes, tras saber que se ha cometido un crimen, el mundo nos deja de parecer un lugar pacifico. Existe una desilusión manifiesta en la comunidad, cada vez que asistimos como víctimas indirectas a la comisión de un delito y por tanto, a que se haya causado un daño a otros seres vivos.
Por eso, como víctima secundaria o indirecta de los hechos delictivos, la comunidad tiene una serie de necesidades que la Justicia Restaurativa y sus herramientas más inclusivas y restaurativas como las conferencias o círculos, atienden de una manera más eficaz, sana y justa:
En primer lugar, la comunidad necesita que se atiendan sus preocupaciones como víctimas, en general, recuperando el sentimiento de seguridad y de confianza en los seres humanos.
También necesita reconstruir el tejido social dañado tras el delito, fortalecer los lazos sociales,  fomentando el sentimiento de comunidad y también de responsabilidad, implicándose como víctima pero también como agente activo,  en la reinserción y vuelta al grupo tanto de la víctima como del infractor.

Así con la vuelta de ambos, a la comunidad, como personas nuevas y productivas, el grupo va a funcionar mejor y los beneficios serán también mayores. La comunidad como agente activo debe promover el bienestar de sus miembros, incluidas las víctimas y los infractores y para crear así las condiciones de una comunidad más justa, humana, madura, responsable y saludable.

Para que lo anterior pueda darse con mas facilidad,  es importante que la Comunidad pueda estar segura  de la no repetición de las conductas delictivas, y por tanto se asegura la prevención y la evitación de que otros miembros de la comunidad puedan convertirse en futuras víctimas directas. Sin duda, la no reiteración del delito puede conseguirse de una manera más eficaz a través de los procesos restaurativos, pues favorecen en si mismos, la responsabilización del infractor por el daño cometido y su voluntad sincera de querer hacer las cosas bien, con esto es más probable que haya menos infractores reincidiendo. 

Posted: 19 Aug 2017 01:06 AM PDT
Los procesos de Justicia Restaurativa son procesos que están centrados en las víctimas, sin perjuicio de que atendiendo a los afectados por el delito, se ayuda al infractor también. Para que estos procesos funcionen, si se valora como idóneo una reunión conjunta sea la forma que fuere, es necesario tener en cuenta una serie de variables para que que el encuentro cara a cara, sea eficaz y no produzca más daños que los beneficios que está destinado a conseguir. Las variables más importantes son las siguientes:
Resultado, es importante entender lo que las víctimas quieren del proceso y después de él. Es esencial ayudar a las personas con los resultados u objetivos que desean conseguir del proceso restaurativo, y que los puedan enfocar hacia resultados sobre los que tengan control o poder de decisión. Esto dependerá, por ejemplo de si las partes tienen una relación previa, lesiones de hijos a padres o si no tienen ninguna relación, un ejemplo puede ser el joven infractor que comete un delito, la víctima puede pensar que es un joven sin posibilidad de redención, sin embargo, durante el proceso se puede mostrar a la víctima, ayudarla a conocer un poco más a este joven para que su visión cambié y sin justificar el delito, si pueda ver al infractor sin juzgarlo de forma vergonzante, sino de una forma que pueda generarle empatía y deseo de cambio. 

Es importante asegurarse que las expectativas de las víctimas sobre los resultados son realistas y se centran en sus propias necesidades,en lo que necesitan para poder superar o comenzar el camino hacia la recuperación. Es complicado a veces, establecer esta línea divisoria pero las preguntas durante todo el proceso de justicia restaurativa, pueden ayudar a las víctimas a encontrar el camino hacia su propia restauración de una forma realista, posible y restauradora.

Contexto de la relación - La justicia restaurativa es buena para explorar la naturaleza de la relación futura. Las víctimas tienen una serie de necesidades pero la más importante es que el infractor no vuelva a hacerlo, que ni ella ni nadie vuelva a pasar por lo que ella ha sufrido. La Justicia Restaurativa es acerca de cómo reparar el daño, no causar más daño. La Justicia Restaurativa no trata de reconciliación de forma prioritaria, con el infractor, con la otra parte, trata de reconciliación consigo mismo y con el entorno. Sin duda, si víctima e infractor se conocen y tienen una relación previa que no pueden romper, será bueno establecer cómo se presenta su futura relación tras el proceso de justicia restaurativa

Flexibilidad - Cada caso es diferente. Las víctimas son personas y como tal son distintas, unas de otras y experimentan el delito de diferente forma. Debemos mantenernos fieles a la atención primaria de la Justicia Restaurativa (daños, necesidades, obligaciones y compromisos). La preparación individual de víctima e infractor para las sesiones conjuntas es esencial. Deben estar preparadas para hablar del daño, así como escuchar la perspectiva del infractor. Justicia Restaurativa da a las víctimas, espacio protegido (de seguridad) para hablar (testimonio) de lo que (la elección) fue lo más duro para ellas. Los procesos restaurativos lo que favorecen es un avance en conseguir hacer las cosas bien  (validación y restitución) tras conocer la información de como el delito impactó en la víctima y qué fue lo más difícil para ellas.
Por eso, la pregunta clave en muchos procesos de justicia restaurativa y en muchos casos será ¿qué fue lo más difícil o duro para ti?. Hoy hablo de la víctima pero sin duda, esta pregunta para el infractor también puede llevarlo a la reflexión y la humanización. La búsqueda de la verdad emocional es esencial para el proceso de curación de los afectados por el crimen.

Judiciário realiza Justiça pela Paz em Casa

Na próxima semana, entre os dias 21 e 25 de agosto, a Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica no âmbito do Poder Judiciário de Mato Grosso (Cemulher) realiza extensa programação durante a Semana da Justiça pela Paz em Casa – 8ª etapa. Este ano, o tema definido é ‘Justiça Restaurativa – Respeito pela Família’.
Nesse período, em todas as comarcas será priorizado o impulsionamento dos processos que envolvem violência doméstica e familiar contra a mulher, bem como os julgamentos desses processos. Além disso, os magistrados competentes nesse tema deverão difundir ações sociais que realizam com foco na Justiça Restaurativa e sua aplicação na solução de conflitos familiares.
Em Cuiabá, a programação já está definida. Na segunda-feira (21 de agosto), às 10h, o juiz Jeverson Luiz Quinteiro, da Segunda Vara Especializada em Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Capital, vai proferir palestra sobre o tema Superação, no Complexo Pomeri. Às 14h, será feita abordagem, panfletagem e palestra sobre a aplicação da Justiça Restaurativa na Família, na Escola Estadual Dione Augusta da Silva, no bairro CPA IV.
Na terça-feira (22 de agosto), às 10h, será a vez do Colégio Salesiano São Gonçalo, no Centro, receber a mesma ação. À tarde, a partir das 14h, será a vez da Escola Estadual Hélio Palma de Arruda, no bairro Planalto.
Na quarta-feira (23 de agosto), será feita visita e reunião na Casa de Amparo a Mulheres em Situação de Violência Doméstica. À tarde, a escola a receber abordagem do Cemulher será a Escola Estadual Manoel Cavalcanti Proença, no bairro Tijucal.
Quinta-feira (24 de agosto), às 10h, será a vez da Escola Estadual José de Mesquita, no bairro Porto, receber a iniciativa. À tarde, às 14h, a unidade prestigiada será a Escola Estadual Dr. Mario de Castro, no bairro Pedra 90.
Na sexta-feira (25 de agosto), às 10h o Cemulher visitará a Escola Estadual Benedito de Carvalho, no bairro Morada da Serra. Às 15h, será feita visita ao presídio feminino Ana Maria do Couto May, no bairro Distrito Industrial.
Em Mato Grosso, desde julho o Cemulher está sob coordenação da desembargadora Maria Erotides Kneip.
Campanha
A semana nacional Justiça pela Paz em Casa é promovida pelo Conselho Nacional de Justiça em parceria com os tribunais de Justiça estaduais. A iniciativa já está em sua 8ª edição e faz parte da Política Judiciária Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres no Poder Judiciário.
Criado em 2015 pela presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, em parceria com os presidentes dos Tribunais de Justiça, o programa “Justiça pela Paz em Casa” deve ser desenvolvido continuamente, ao longo do ano. No entanto, durante três semanas por ano (março, agosto e novembro) é executado como um esforço concentrado e para gerar dados e relatórios das ações para avaliação de resultados.

Cármen Lúcia diz que machismo e preconceito sustentam violência contra mulher

Para a juíza da Segunda Vara de Justiça pela Paz em Casa Ana Cláudia Souza, é importante negar o pensamento de que a Justiça Restaurativa pode desencorajar a vítima ou propor que ela concilie com o agressor.



A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, voltou a falar do machismo e do preconceito de gênero como um dos pilares que sustentam a violência contra a mulher.
“Eu sei que o preconceito é difícil de passar, ainda é grande, e eu falo de cátedra. Eu não preciso do testemunho de ninguém para saber que há preconceito contra a mulher. Tem contra mim. Claro que a manifestação contra mim, enquanto juíza do STF, é diferente de uma mulher que não tem um trabalho, uma independência financeira, independência psicológica ou que não tem condições de uma formação intelectual, mas ele [preconceito] existe contra mim e é exercido, ainda que não dito. Também não preciso de ninguém para me lecionar isso”, disse a ministra que também é presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
A declaração foi dada na manhã de hoje (18) durante a abertura da XI Jornada Maria da Penha, no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA). Durante a fala de abertura, a ministra Cármen Lúcia explicou a importância da Justiça não somente como órgão punitivo, mas também para promover a paz e quebrar o ciclo de inimizades e de violência. Ela defendeu a implantação da Justiça Restaurativa na Lei Maria da Penha.
“Alguém que teve sua filha assassinada pelo parceiro terá a situação em que famílias que eram amigas se tornem inimigas. Há de ter alguém que promova essa pacificação, porque o júri tem de acontecer, a punição tem de acontecer, nos termos da lei. Mas a inimizade, no sentido de formar inimigos, não promove justiça em nenhum lugar do planeta”, argumentou, acrescentando que “uma sociedade de inimigos é uma sociedade sem chances de dar certo”.
Justiça Restaurativa
A Jornada Maria da Penha está na 11ª edição no TJBA e a principal discussão é a inclusão das ações da Justiça Restaurativa no âmbito da Lei Maria da Penha, já que é aplicada em outros âmbitos judiciais, e a assistência às vítimas e parentes que passam por situações de violência doméstica. Segundo o TJBA, a Justiça Restaurativa “trabalha a partir dos valores das pessoas, dos seus sentimentos e da possibilidade de transformação do conflito, buscando valorizar o ser humano”.
Para a juíza da Segunda Vara de Justiça pela Paz em Casa Ana Cláudia Souza, é importante negar o pensamento de que a Justiça Restaurativa pode desencorajar a vítima ou propor que ela concilie com o agressor.
“Na Vara da Paz em Casa, a Justiça Restaurativa não objetiva extinguir o processo, ele vai seguir. Mas a gente visa restaurar as pessoas, para evitar que em outros relacionamentos e situações, esses episódios de violência voltem a ocorrer. A gente não quer que a vítima desista e volte atrás, até porque não temos como assegurar que vai dar certo. Queremos que a vítima se fortaleça, se conscientize e que não aceite novos episódios, seja com o mesmo agressor ou com outro”, explicou a titular da Segunda Vara de Justiça Pela Paz em Casa, de Salvador.
Justiça Pela Paz em Casa
A Jornada Maria da Penha e a participação da ministra Cármen Lúcia marcaram, também, a abertura da Terceira Vara de Justiça Pela Paz em Casa, na capital baiana. O espaço será instalado em uma universidade privada e tem o objetivo de desafogar os mais de 10 mil processos que se acumulam nas duas varas que já existem em Salvador.
O evento de hoje acontece dias antes da Semana de Mobilização Pela Paz em Casa, que está na oitava edição, na Bahia, e ocorrerá entre os dias 21 e 25 de agosto, em todo o país. A proposta é que juizados especializados em violência doméstica ampliem a efetividade da Lei Maria da Penha - que completa 11 anos – com julgamentos e a concessão de medidas protetivas às vítimas. Em março deste ano, a última edição do projeto conseguiu realizar oito mil audiências e julgamentos de processos relativos à violência doméstica contra a mulher, o que resultou em mais de sete mil sentenças judiciais e concessão de dez mil medidas protetivas.
Atualmente, no estado da Bahia, tramitam 26,7 mil processos relativos à violência de gênero, segundo o TJBA. Para dar conta de todos os trâmites, o estado conta com seis varas especializadas, nas cidades de Feira de Santana, Camaçari, Juazeiro e Vitória da Conquista. Em todo o Brasil, mais de um milhão de processos ligados à violência contra a mulher ainda aguardam resolução. Esse tipo de violência pode ser denunciado por qualquer pessoa, pelo telefone 180 ou em qualquer delegacia, preferencialmente nas Especializadas no Atendimento à Mulher (Deam).oxa, pai e mãe”, brincou o apresentador em tom de lamentação.

Ishy propõe Justiça Restaurativa nas escolas de Dourados

Elias Ishy quer a implantação do modelo restaurativo no Estado - Divulgação
Elias Ishy quer a implantação do modelo restaurativo no Estado – Divulgação
Projeto de Lei atende a resolução do 225/2016 do Conselho Nacional de Justiça
Tramita na Câmara de Dourados o Projeto de Lei que dispõe sobre a implantação de “Programa de Atividades com Fins Educativos no âmbito dos estabelecimentos que compõem o Sistema Municipal de Ensino”. Baseado nas práticas da Justiça Restaurativa (JR), o autor da legislação, o vereador Elias Ishy (PT), afirma que a ação tem como objetivo o enfrentamento a violência no ambiente escolar.
O vereador explica que, por meio de técnicas específicas, essa atividade “dissemina a cultura da paz, trabalhando na prevenção dos conflitos e instituindo um novo modelo de Justiça por meio do diálogo restaurativo”. O modelo tradicional, chamado de retributivo, é um modelo de poder fundado no controle e na dominação. Já o modelo restaurativo propõe firmar-se como um modelo efetivamente democrático. “É um caminho para humanizar o processo socioeducativo”, diz Ishy.
Ainda no primeiro semestre, ele lembra que foi realizada uma Audiência Pública para que toda comunidade escolar pudesse ter conhecimento sobre o tema. O ato contou com a presença da juíza, Katy Braun do Prado e de sua equipe, que pode compartilhar as experiências contadas a partir de 2012, quando um termo de acordo de cooperação técnica foi assinado entre o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), por meio da Coordenadoria da Infância e Juventude, e a Secretaria Estadual de Educação (SED). Desde então, as técnicas da JR vem sendo desenvolvidas na rede estadual, em Campo Grande, segundo ela, com ótimos resultados.
Neste sentido, Ishy reconhece a importância da Justiça Restaurativa no desenvolvimento de propostas rápidas no sentido educativo e com conteúdo éticos aos conflitos cometidos por adolescentes, possibilitando assim, a transformação a par da responsabilização. “É prevenir a violência, é construir uma cultura de paz, é fomentar ações voltadas à promoção da saúde, é corrigir pedagogicamente, é implantar um ambiente de segurança”, diz ele.
Para o vereador, o reconhecimento vai além. “Nós sabemos que isso demanda um ambiente melhor para a comunidade escolar, que vai desde mais investimentos no setor, uma estrutura que proporcione profissionais mais preparados para enfrentar essas situações, mais valorizados, portanto, mais motivados com a escola sendo um atrativo as crianças e adolescentes, principalmente em locais de extrema vulnerabilidade”, finaliza.
O projeto foi apresentado no início de março deste ano, porém com a participação da comunidade escolar na Audiência, em junho, foram realizados alguns encaminhamentos e contribuições para o programa. Para atendê-los, foi encaminhado neste mês de agosto um Projeto de Lei substitutivo com a readequação da legislação.

La Justicia Restaurativa nos indica todos los que de alguna manera son afectados por el delito

Posted: 18 Aug 2017 01:27 AM PDT
La Justicia Penal tradicional es ritualista y burocrática, hay un orden establecido que hay que seguir, unos hablan primero, otros después, siempre de acuerdo a un guión. Estos rígidos protocolos dejan poco espacio a los sentimientos, y las emociones propias de seres humanos que sufren o han sufrido un daño como consecuencia del delito. Se gestiona por profesionales en el que los realmente afectados, solo podrán hablar cuando sean preguntados, y para más inri es el infractor el que tiene derecho a la última palabra, por qué, porque el proceso penal se ve como un atentado a la norma escrita y creada por el estado, y todo gira en torno a si va a ser o no castigado y qué pena se le va a imponer. Los afectados por el delito poco o nada tienen que decir y si pueden participar, solo serán los directamente dañados por el hecho delictivo, en ningún caso se incluirán a los indirectamente "tocados" por él.Los procesos restaurativos tienen muchas cosas buenas, la primera es que dotan de humanidad al proceso, se considera que puesto que los afectados por el delito son los protagonistas serán ellos los que tengan la capacidad de hablar y dialogar, la Justicia Restaurativa crea un espacio de dialogo para que los que se vieron afectados por el daño y por el delito puedan contar su historia, cómo el hecho delictivo impactó en su vida y qué necesitarían para poder empezar su camino hacia la recuperación.

También la Justicia Restaurativa tiene algo interesante, y es que por ser inclusiva, saca a la luz a todos los que de alguna manera se vieron dañados por el crimen, tanto los directa como los indirectamente, esto sin duda, produce un efecto sanador más importante. Pensemos por ejemplo en la familia de un infractor ¿acaso no puede verse afectada por el delito? ¿no son señalados por ser allegados de esta persona? ¿no necesitaran muchos de ellos un espacio donde contar su historia? Por supuesto que si, y de la misma forma puede suceder con la familia de la víctima que siente dolor cuando ven sufrir a su allegado a consecuencia del delito.
Esto también es importante en la Justicia Restaurativa y sus herramientas porque por ser procesos  inclusivos dejan al descubierto y fomentan la participación de todos los que se consideren dañados.
Además siendo procesos que parten de que víctima e infractor son seres humanos, permiten y dan espacio a las emociones, gestionarlas de forma restaurativa ayudarán sin duda,a la responsabilización del infractor y la mejor reparación de las víctimas, lo que se traduce en una comunidad con mejor imagen de la justicia

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Veja a programação do seminário “Novas Formas de Justiça, Novos Caminhos para a Sociedade”

O Tribunal de Justiça do RN realiza nesta quinta-feira (17) o seminário “Novas Formas de Justiça, Novos Caminhos para a Sociedade”. O evento tem início às 8h, no auditório da Escola da Magistratura do RN (Esmarn), e trará discussões e debates a respeito de temas atuais para o universo jurídico como Conciliação, Justiça Restaurativa, Socialização, Audiências de Custódia e as APACs. A iniciativa é um dos pontos altos das comemorações dos 125 anos de história do Tribunal de Justiça do RN.
A Secretaria de Comunicação Social do TJRN, que organiza o seminário, fará a transmissão ao vivo do evento, pela internet. O conteúdo poderá ser acessado AQUI.

Confira a programação completa do evento:
8h
Abertura e formação da mesa: Discurso do Presidente do TJRN, desembargador Expedito Ferreira – 10’

08h15
Palestra 1 - Conciliação
Presidente da mesa: Des. Cornélio Alves – 5’
Palestrante: Juíza federal Gisele Leite – 30’
Debatedores: Juiz Marcus Vinícius Pereira Júnior e coordenadora administrativa do Nupemec, Elanne Canuto – 10’ e 10’

09h20
Palestra 2 - Justiça restaurativa
Presidente: Desa. Maria Zeneide Bezerra – 5’
1º Palestrante: Juiz Fábio Ataíde – Justiça Restaurativa – 30’
2º Palestrante: Juiz José Dantas de Paiva - Justiça Restaurativa para a infância e adolescência – 30’
Debatedores: Juíza Virgínia Rêgo e Defensora Pública Geral Renata Alves Maia – 10’ e 10’

10h15
Coffee break – 10’

10h25
4 – Painel: A ressocialização é possível
Presidente da mesa: Vice-presidente do TJRN, Des. Gilson Barbosa – 5’
- NOADE: Juiz Flávio Barbalho – 10’
- Remissão pela leitura: Juiz Gustavo Marinho – 10’
- Remissão pela escrita: Juiz Fábio Ataíde – 10’
- Trabalho de presos: Juíza Tathiana Freitas de Paiva Macedo – 10’
- Pena pecuniária: Juiz Paulo Maia – 10’

Intervalo para almoço – 2 horas

14h
Palestra 3 – Audiências de Custódia
Presidente da mesa: Des. João Batista Rebouças – 5’
Palestrante: Juiz Rosivaldo Toscano – 30’
Debatedores: Presidente da OAB/RN, Paulo Coutinho, e o Procurador Geral de Justiça, Eudo Leite – 10’ e 10’

15h
Palestra 4 - APAC
Presidente da mesa: Des. Saraiva Sobrinho – 5’
Palestrante: Dr. Luiz Carlos Rezende - Juiz da Vara de Execuções Penais de Belo Horizonte (MG) e titular da Coordenadoria de Execuções Penais da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) – 60’
Debatedores: Juiz Gustavo Marinho e Procuradora do Município de Macau, Juliana Perez – 10’ e 10’

Eventos paralelos:
1 - Exibição dos vídeos “125 anos do Judiciário potiguar” e “APAC”
2 - Lançamentos dos livros do juiz Ricardo Cabral Fagundes, “O Sistema Prisional Brasileiro frente à Omissão Estatal e ao Estado de Coisas Inconstitucional”; do juiz Marcus Vinícius Pereira Junior, “Construindo Cidadania com Penas Pecuniárias”; do servidor Wescley Gama, da Vara Cível de Currais Novos, “Nove contos serranos”; e do servidor Laelder Rodrigues Souza, da Corregedoria de Justiça, “Em versos sentimentos diversos”.

Hacer lo correcto para la Justicia Restaurativa

Posted: 17 Aug 2017 05:11 AM PDT
La Justicia Restaurativa busca la responsabilización del infractor por su conducta y por tanto que al hacerse responsable, quiera hacer lo correcto y reparar el daño.
En este hacer lo correcto de lo que habla Howard Zehr, podemos incluir muchas obligaciones para satisfacer,  otras tantas necesidades de las víctimas, pero también de la comunidad y del propio infractor. ¿Por qué? Porque hacer lo correcto implicará primero, una responsabilidad del infractor, reconociendo el delito y por tanto, realizando todas las actividades que sean necesarias para reparar, compensar o mitigar el daño causado a la víctima directa y/o a la sociedad. Si hablamos de delitos muy graves, la reparación será más difícil o del todo imposible en sentido literal, sin embargo, se pueden hacer muchas cosas para que las víctimas se sientan reparadas, lo esencial es este primer paso en el que el infractor reconoce que fue su culpa y asume el daño que causó, esto puede ayudar de manera significativa a las víctimas. En delitos por ejemplo con resultado de muerte, esta reparación no tiene el mismo sentido, de por si el daño es irreparable lo que se puede hacer es ayudar en el proceso o en el viaje de las víctimas a la curación, sin embargo, sería solo una ayuda porque el viaje restaurativo a esta curación, solo lo puede hacer la propia víctima. 

En el hecho de hacer lo correcto, las obligaciones principales recaen sobre el infractor, sin embargo, en este proceso también puede necesitar ayuda o estímulos para que vea cual es el camino a seguir y será la comunidad la que le pueda guiar, también la comunidad necesitará ver qué es lo que hace que determinadas personas o determinado grupo social tengan tendencia al delito para poder abordar las causas y evitar la reincidencia.

Por eso,  en segundo lugar, hacer lo correcto implica abordar las causas del delito, y no solo hacer frente a los daños. De hecho muchas víctimas, desean esto,  no solo evitar que se la siga causando daños sino evitar que otras personas puedan sufrirlos. Los procesos restaurativos deberían abordar siempre el daño, pero también la prevención de otras conductas similares. Por eso, no sería descabellado, que durante los procesos restaurativos no solo se hable de las necesidades de las víctimas y las obligaciones de los infractores para con estas necesidades, sino también las necesidades de los infractores para poder cambiar su comportamiento y abandonar el delito

Los infractores deben hacer frente a las causas de su comportamiento pero en muchas ocasiones no pueden hacerlo solos, necesitaran ayuda y apoyo de su entorno más cercano y de otros miembros de la comunidad. En este sentido, habrá que explorar si queremos llegar al origen del por qué del delito, a los infractores como víctimas, es un tema controvertido pero en ocasiones muchos delincuentes han sido o son víctimas del sistema, de la injusticia o de la exclusión social, sin justificar el hecho delictivo, se debería analizar para poder abordar el delito de una forma más eficaz, ya que como hemos dicho: "hacer lo correcto" implica abordar el daño y abordar las causas.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

La Justicia Restaurativa también aborda las necesidades del infractor

Posted: 16 Aug 2017 02:09 AM PDT
En varias ocasiones, he escrito sobre la responsabilización del infractor por su conducta delictiva, como requisito o no, para poder participar en un proceso restaurativo. Siempre pienso que la asunción de responsabilidad debe ser parte del proceso restaurativo en si mismo, en concreto, se debe tratar con el infractor en las reuniones individuales preparatorias. Si se quiere que la persona que ha cometido el delito asuma el daño y su participación en el hecho, el castigo no favorece ni propicia esto. La verdadera responsabilización implica animar al infractor a enfrentarse con el hecho delictivo, a que entienda el impacto del delito y el daño que ha generado y finalmente quiera hacer lo correcto. Pero sin duda, lo que a veces se nos escapa es que los infractores además de su responsabilización,  también tienen una serie de necesidades, y que como decía Howard Zehr,  si esperamos que asuman el delito, quieran reparar, no volver a hacerlo y volver a la sociedad como personas nuevas y productivas, es necesario hacer frente a estas necesidades que el infractor también tiene y reclama de la justicia y que se deben afrontar para conseguir que pueda vivir alejado del delito:

Necesita que se le anima a responsabilizarse por su conducta, para ello debe tener oportunidad de reparar el daño, conocer valores como la empatía y la responsabilidad y que la vergüenza de ser señalado como delincuente, se transforme en reintegrativa. Esto es lo que trató Braithwaite y que sin duda, se traduce en la necesidad de señalar la ofensa, el delito como algo inaceptable, sin hacer hincapié en el infractor, dándole así una oportunidad de poder separarse de su delito, asumiendo el daño, reparándolo e intentando no volver a delinquir. Esto sin duda ofrece la Justicia Restaurativa: una oportunidad al infractor de hacer lo correcto y evitar llevar el estigma permanente de delincuente

Necesita ser animado a transformarse, a través del tratamiento de sus posibles adiciones y de sus traumas que lo pudieron llevar a delinquir o ser propenso a ello, y a fortalecer y adquirir valores y aptitudes restaurativas que le ayuden en su vida diaria, alejado del delito

Necesita apoyo para su mejor vuelta o reconexión con la comunidad 

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Novo modelo de audiência ajuda mulheres a desconstruir submissão ao machismo em BH


Uma metodologia inédita está sendo utilizada na solução de conflitos domésticos em Belo Horizonte. Batizada como “audiência de fortalecimento” pelo juiz Marcelo Gonçalves de Paula, idealizador da proposta, a prática dá oportunidade à mulher de dizer ao agressor, que só escuta, tudo aquilo que sempre a incomodou e a oprimiu durante o tempo em que tiveram um relacionamento conturbado.
Essa nova modalidade de audiência tem sido realizada nas ações de medidas protetivas que tramitam na 14ª Vara Criminal – especializada em crimes previstos na Lei Maria da Penha –, nos casos em que o agressor é reincidente no descumprimento de medidas protetivas já aplicadas anteriormente. “Ela fala; ele escuta, somente”, conta o juiz Marcelo de Paula, titular da vara.
14-criminal-02.jpg
O juiz Marcelo Gonçalves de Paula é o idealizador da audiência de fortalecimento
Divulgação/RaulMachado/TJMG

A prática tem o objetivo de “desconstituir uma das principais bases do machismo, que é a submissão”, explica o juiz. Nesse contexto, a proposta do projeto é estimular “a inversão dos valores vigentes: fazer com que a mulher saia da posição de vítima e assuma um papel de protagonista da mudança”, acrescenta.
Em cada caso, a conveniência de realizar esse tipo de audiência é avaliada pelo Ministério Público (MP), pela Defensoria Pública (DP) e pelo juiz, e deve haver consenso. Desde o início do projeto-piloto, 19 audiências já foram realizadas, e em nenhum caso houve reincidência.
A ideia para criar esse procedimento, segundo o juiz, veio depois de ele observar a relação entre agressor e vítima. O magistrado percebeu que uma das grandes bases da relação que resulta num ato de violência é a submissão, além da consciência, por parte do agressor, do medo que a vítima sente dele.
Metodologia
Na audiência, a mulher é então convidada a falar o que quiser. “Disse que ele não era meu dono, que aquilo que ele estava fazendo não era papel de homem, que ele devia me respeitar e respeitar os nossos filhos. Fui falando por quase uma hora; não sei de onde tirei tanta força”, contou Antônia à jornalista Regina Bandeira, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Segundo o juiz, outra mulher que participou do projeto escreveu uma carta que foi lida ao ex-companheiro.
14-criminal-01.jpg
Audiência de fortalecimento busca dar voz a mulheres vítimas de violência doméstica
Divulgação/RaulMachado/TJMG
A metodologia proposta muda paradigmas no atendimento dado pelo Estado à mulher em situação de violência doméstica. Até então, explica o juiz, vítima e agressor não se encontravam, preferencialmente. Para ele, no entanto, em determinados casos é importante que esse encontro aconteça. Após 11 anos de vigência da Lei Maria da Penha, o juiz acredita que seja a hora de pensar novas formas de enfrentar o problema da violência doméstica.
A coordenadora do Núcleo Especial de Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública, Maria Cecília Oliveira, destaca que a audiência de fortalecimento é capaz de tirar a mulher da situação de “eterna vítima”. “Muitas vezes, com o intuito de proteger, acabamos fazendo com que a mulher nunca abandone o papel de vítima. E não é essa a intenção da Lei Maria da Penha. A lei não é assistencialista, protecionista, ela é empoderadora”, explica a defensora.
Essa nova forma de enfretamento à violência doméstica não se restringe à realização da audiência de fortalecimento. O juiz explica que depois desse encontro o agressor é obrigado a frequentar os grupos reflexivos promovidos pela Polícia Civil. As sessões, em grupo, são realizadas com o apoio de uma equipe multidisciplinar. Já a mulher é encaminhada para um instituto de apoio, que também conta com uma equipe multidisciplinar e é ligado à Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese). Após essas etapas, o juiz retoma o caso e analisa se outras medidas precisam ser tomadas.
O juiz Marcelo Gonçalves de Paula, que também é integrante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv) do TJMG, conta que o órgão apoia o projeto e que a 3ª Vice-Presidência do TJMG estuda a inclusão da ação no Projeto de Justiça Restaurativa em andamento no TJMG.

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...