“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

sábado, 20 de maio de 2017

Evento do PROA aborda Educação e Justiça Restaurativa

por Mari Cleia Aparecida de Andrade

 
O Projeto de Extensão Psicopedagógico Pró Aprendizagem (PROA), vinculado ao Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), promoveu, nesta quarta-feira (17), mesa redonda com o tema 'Educação e Justiça Restaurativa estratégias promotoras de inclusão de estudantes de Ponta Grossa'. A promoção contou com a parceria do Centro Judiciário de Solução de Conflitos de Ponta Grossa (CEJUSC/PG), Laboratório Lúdico Pedagógico (LALUPE/UEPG), Departamento de Educação e Colegiado de Licenciatura em Pedagogia. 
O evento foi destinado aos alunos da disciplina de Educação Inclusiva, do curso de Pedagogia, contando tambpem com a presença de acadêmicos das demais turmas do curso de Pedagogia e dos cursos de Serviço Social e Direito, além de professores do ensino superior e da educação básica.
A mesa redonda teve objetivo de discutir a realidade local quanto aos adolescentes que demandam medidas protetivas e socioeducativas; o papel do CEJUSC/PG na promoção da inclusão social; e as práticas restaurativas em educação. O debate entre os participantes enfocou o direito à educação como um dos mecanismos de justiça social; reforçou a concepção pedagógica das medidas socioeducativas, que apesar de configurarem como resposta à prática de um delito, apresentam um caráter predominantemente educativo e não punitivo; e demonstrou o papel do CEJUSC/PG no desenvolvimento de projetos e práticas restauradoras ligadas à educação.
A mesa teve como moderadora a professora Elenice Parise Foltran, coordenadora do Lalupe. A apresentação da atividade contou com a participação da bacharel em Direito pela UEPG e servidora do Tribunal de Justiça que atua no CEJUSC/PR, Mariana Ferreira Cordeiro. O professor Carlos Willians Jaques Morais (coordenador do curso de Pedagogia) fez a abertura do evento, destacando a importância da temática na formação profissional, humana e social de futuros educadores na perspectiva da educação inclusiva, garantia de direitos à educação e inclusão social, especialmente aos acadêmicos de Pedagogia.
A coordenadora do CEJUSC/PG e juíza substituta da comarca de Ponta Grossa, Laryssa Angélica Copack Muniz, apresentou o panorama social e a caracterização dos adolescentes autores de atos infracionais e perspectiva da justiça restauradora neste contexto. Destacou que baixo desempenho escolar, a evasão e a repetência são comuns a uma parcela significativa de adolescentes em conflito com a lei e adolescentes em situação de risco social, que são encaminhadas à justiça na Comarca de Ponta Grossa. O comprometimento na vida escolar indica que o direito fundamental à educação e ao desenvolvimento durante a infância não estão sendo garantidos e a proposição de medidas meramente punitivas podem não ser efetivas para mudar a realidade.
As professoras Adriana Ribeiro Rodrigues e Claudete Aparecida Albuquerque da direção do Colégio Estadual Borel du Vernay de Ponta Grossa, apresentaram o projeto Escola Restaurativa, que é um exemplo de proposta preventiva frente à realidade apresentada pela juíza Laryssa Muniz. A implantação da proposta vem ocasionando a diminuição da violência na escola, maior participação dos alunos, o desenvolvimento de muita oficinas de cunho acadêmico, cultural, desportivo, artístico e de promoção pessoal e social.
Como exemplos de medidas socioeducativas foram apresentados dois projetos. Uma proposta é o 'Na medida que eu penso', coordenado pela professora de filosofia Eliete R. de Campos, que propõe a filosofia como norte para a socioeducação. Um dos indicadores do sucesso da proposta é a redução da reincidência no cometimento de atos infracionais pelos adolescentes que participam do projeto, significativamente abaixo dos índices nacionais.
 A professora Nelba Maria Teixeira Pisacco apresentou o Projeto Psicopedagógico Pró-Aprendizagem (PROA), que propõe à interlocução psicopedagogia/justiça restaurativa como meio de promover a melhoria da aprendizagem de adolescentes em situação de vulnerabilidade social, sob ameaça de ter seus direitos feridos ou que cometeram atos infracionais. De acordo com a professora, o projeto atende os adolescentes que são encaminhados pelo CEJUSC que tem a participação no projeto como uma alternativa de medida protetiva ou socioeducativa.
A proposta é uma intervenção lúdica individualizada ou coletiva, no intuito de melhorar sua aprendizagem e propor alternativas de acesso e/ou permanência na educação escolar. A professora destaca que um dos ganhos é dos jovens que se percebem como sujeitos no PROA e que, a partir da intervenção focada nos fatores intervenientes das dificuldades de aprendizagem, caminha-se para a promoção da autoestima e do autoconhecimento dos sujeitos como aprendizes, acarretando melhoria do seu desempenho, tendo em vista a ampliação da escolaridade. 
UEPG. 19.05.2017.

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...