“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Projeto de constelação familiar chega em agosto à Justiça paraense

Ajudar a solucionar os conflitos emocionais e disputas de sentimento que chegam ao Judiciário é o intuito do projeto piloto Aplicação das Constelações Familiares no Judiciário Paraense, que será implantado na 2ª e na 4ª Vara de Família de Belém. As primeiras ações foram definidas no último dia 25, em reunião entre o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Soluções de Conflitos (Nupemec), juízes e consteladores envolvidos no projeto.
Segundo a coordenadora do Nupemec, desembargadora Dahil Paraense, a constelação familiar é um método inovador que revela o que está por traz do conflito, possibilitando a real percepção do problema. Conforme a magistrada, a ferramenta irá auxiliar os juízes nas suas decisões. A previsão é que o projeto piloto se inicie em 8 de agosto.
Para aplicar a metodologia, cinco servidores de cada vara serão capacitados pela doutoranda em Constelação Familiar pela Universidade de Lisboa, Carmem Sisnando, que também é servidora do TJPA. A expectativa é estender a metodologia para as demais Varas de Família. Participaram da reunião as consteladoras Carmem Sisnando, Iná Pinheiro Mendes, as magistradas Margüi Bitencourt e Elaine Figueiredo, respectivamente juízas da 2ª e da 4ª Vara de Família, além da juíza auxiliar da Corregedoria do Interior e membro do Nupemec Mônica Maciel.
Fonte: TJPA. 09/06/2016.

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...