“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

segunda-feira, 14 de março de 2016

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul promove palestra para educadores

Nesta manhã de ontem, quinta-feira (10), o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por meio da Coordenadoria da Infância e da Juventude (CIJ),  promoveu a palestra sobre "A importância da empatia entre escola e família", proferida pela psicóloga Olinda Guedes para os profissionais de educação de diversas escolas estaduais e municipais de Campo Grande.

O tema central da palestra tratou sobre a importância da empatia que deve permear entre a escola e a família do estudante, em prol da saúde física e mental da criança e do adolescente durante a travessia do mundo infantil e juvenil para o mundo adulto.

Segundo a palestrante, desde bebês procuramos o olhar da mãe para nos sentirmos seguros e amados e muitas vezes encontramos nas escolas  crianças e adolescentes que foram privados dessa afetividade primária. Por essa razão, é importante que os professores estabeleçam um vínculo com seus alunos, um elo de confiança, pois o aprendizado só existe quando há confiança entre aluno e professor.

Durante a palestra também foram abordadas a questão da resolução de conflitos no ambiente escolar, o princípio da compensação, o  pertencimento e a importância da arte como ferramenta da pedagogia sistêmica. Além disso, foi realizada uma dinâmica com todos os participantes como forma de diálogo e troca de experiências.

“O papel do educador não é só fundamental como é o papel que resolve a resolução de conflito. O professor está exercendo uma tarefa legítima quando media relações, pois possibilita que os alunos vivenciem um ambiente de paz, confiança e respeito, pois só assim os educadores conseguem cumprir o seu objetivo final que é o de ensinar”, destacou a psicóloga Olinda Guedes.

Participaram também da palestra o procurador de justiça aposentado e terapeuta sistêmico Amílton Plácido da Rosa, as equipes da Justiça Restaurativa Escolar e da Justiça Restaurativa Juvenil da Coordenadoria da Infância, representantes da Secretaria Estadual de Educação (SED) e Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e demais profissionais da educação das seguintes escolas: E.M. Irene Szukala, E.M. Dr. Plinio Barbosa Martins, E.M. Prof.Oneida Ramos, E.M. Maestro João Correa Ribeiro, E.E. José Barbosa Rodrigues, E.E. Profª Fausta Garcia Bueno, E.E. Ada Teixeira dos Santos Pereira, E.E. Padre Franco Delphiano, E.E. Vespasiano Martins, E.E. São José, E.M. Olinda Conceição Teixeira Bacha e E.E. Profª. de Lamonica Guimarães- CES.

“A palestra foi muito importante e valiosa tanto para adquirir conhecimentos como também para nos tornarmos multiplicadores tanto para os professores como também para aplicarmos o que foi ensinado nas salas de aula”, afirmou o coordenador pedagógico da Escola Estadual José Barbosa Rodrigues.

Palestrante Olinda Guedes - Psicóloga, especialista em Programação Neurolinguística e Constelação Familiar, diretora do Instituto  Anauê-Teiño e Pingo D´água e autora dos livros: O que traz quem levamos para a escola? e Além do Aparente.

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação - imprensa@tjms.jus.br. 11.03.2015.

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...