“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Proliferación de juicios “mediáticos” que no benefician a las víctimas

Decía ayer en mi blog personal, que me estaba haciendo mayor y lo cierto es que sin lugar a dudas, así es. Hasta donde llego a recordar, antes los juicios penales eran eso; juicios, la prensa si acaso, grababa unos minutos e informaba de su evolución. Pero ahora, esto parece que ha cambiado y son casi como “reality shows” y a tiempo  real se sabe todo lo que sucede.
Con el juicio en España por el padre acusado de matar a sus hijos, se están traspasando todos los límites de la realidad. Comprendo, como ya he dicho en varias ocasiones, el derecho de información de los medios de comunicación pero lo que no entenderé jamás es que los juicios se sigan casi en directo y se analice de forma sistemática cada palabra, gesto y actitud de acusado, víctimas y testigos.
Parece que se estuviera perdiendo la perspectiva de que se ha cometido presuntamente un delito terrible. La prensa también “roba” la propiedad del delito a las víctimas y se lo disputa con el estado, para hacerlo suyo y “desmenuzarlo” de cara a la opinión pública. Si ya Nils Christie advirtió que el estado se apropiaba del delito, en la actualidad me atrevo a decir que al Estado le ha salido un competidor, en la pugna por el delito: los medios de comunicación. Parece que la comisión de un crimen, más si es grave y crea gran alarma social,  se ha convertido en un “bien de dominio público” y  hay una necesidad y/u obligación de corroborar esto, desgranando hasta el último aspecto del delito, los autores y  sus consecuencias.
Y lo que más me llama la atención es algo lógico, si estos días todos los programas están destinados casi en exclusiva a contar lo que ocurre en el juicio y analizar su evolución hasta el detalle más mínimo, es porque la audiencia se “dispara” y los ciudadanos disfrutamos visionando estos programas. El que seamos “morbosos” me preocupa mucho pero lo que más me “quita el sueño”, es si desarrollamos al menos, la empatía suficiente durante el visionado de estos programas como para saber que detrás de la parafernalia judicial, hay unas víctimas que sufren y han sufrido, o simplemente nuestra mente se aleja de la realidad y vemos la televisión,  pensando que estamos ante una ficción similar a los telefilmes que cada tarde de fin de semana, plagan la programación de las cadenas. Esta es la duda que me asalta y me hace pensar una y otra vez en las víctimas. No creo que esta forma de abordar el delito y el juicio pueda beneficiarlas, ya que su dolor ha pasado a ser de dominio público y el “duelo” deben compartirlo con todos los que ven la televisión o leen prensa. ¿De verdad alguien cree que les es beneficioso tener continuamente en la mente el delito u oír aspectos o detalles de la comisión del crimen? Puedo imaginar lo durísimo que debe ser rememorar una y otra vez los hechos, pensar que quizá no hicieron lo suficiente para evitar el delito ( pensamiento lógico en las víctimas) o que si hubieran actuado de otra manera, no habría sucedido, todo ello en un intento de explicar por qué. Esto, lejos de ayudarlas en el camino para luchar por sobreponerse y asumir su pérdida, lo que hace es “gangrenar” la herida y la victimización secundaria que frecuentemente se produce en la justicia tradicional, en este caso aumenta su intensidad porque además del juicio como tal, se están produciendo otros muchos paralelos, en cada programa de televisión y artículo de prensa.
La  Directiva de 25 de octubre de 2012, estableciendo las normas mínimas sobre derechos, apoyo y protección de las víctimas de delito regula claramente este deber de los estados de proteger a las víctimas y sus familiares de una posible victimización secundaria y/o de posibles daños emocionales y psicológicos durante la declaración y cuando testifiquen. A nadie escapa que aunque no llegue a producirse la victimización secundaria, el daño emocional con la transformación del juicio en una especie de “gran hermano” que todo lo ve, puede ser grande e importante. Y aunque el derecho de información es esencial, deberían conjugarse estableciendo unos límites para proteger y respetar a los familiares y las víctimas.
Frente a esto y para los que dudan de los beneficios de la justicia Restaurativa, les diría que esta justicia protege y ayuda a las víctimas porque para ésta lo primero es la seguridad y las necesidades personales de cada una de ellas. Parte de que a cada persona le afecta el delito de una manera diferente y por eso,  ofrece una respuesta adaptada a cada una de ellas y sus circunstancias. Esto evita la victimización secundaria que se suele dar  en la justicia tradicional y es a su vez, respetuosa con el dolor de las víctimas.
Los que critican la Justicia Restaurativa a veces aluden a que supone una especie de privatización de la justicia penal y que es necesario un reproche público. Me gustaría hacer una primera reflexión ¿reproche público? ¿En qué forma? Porque en la actualidad, el caso que se está juzgando es tan público y tan conocido por toda la sociedad, que el reproche público que merecen los delitos, ha trascendido a algo universal en el que todos “juzgan” y ponen en peligro la confidencialidad de los sentimientos de las partes afectadas por el crimen. Me explico;  se juzga el delito como un suceso objetivo que ha causado un daño terrible, pero con estos juicios “mediáticos” se está pasando a juzgar sentimientos, opiniones y actitudes de las personas directa o indirectamente afectadas por algo que es subjetivo y que obviamente no se puede analizar de forma objetiva y racional. Por eso, la Justicia Restaurativa ofrece un espacio y fórmulas para que las partes puedan expresarse y desahogarse de forma privada y segura, y sus sentimientos para con la otra parte puedan quedar en la esfera privada pero esto no significa que el hecho objetivo tipificado en la ley, no obtenga su castigo y la sanción penal estipulada. El reproche público si existe en la Justicia Restaurativa, sin embargo, la gestión de los sentimientos tras sufrir un delito o cometerlo, se adapta a cada víctima primero y después a cada infractor. Esto hace que las víctimas se sientan más satisfechas porque esta justicia reparadora es más humana y cercana y no es fría ni ajena al dolor de las víctimas sino respetuosa.
De la misma manera, no es “blanda” con los infractores como puede parecer en un primer momento, sino todo lo contrario, ya que enfrenta al delincuente con sus actos, les hacer ver que han dañado a otro ser vivo y fomenta su responsabilización, algo que la justicia tradicional no hace. Y sino para muestra, un ejemplo ilustrativo; al acusado en el juicio, se le dice que tiene derecho a no declarar y si lo hace, a no declararse culpable, a nadie escapa que le estamos diciendo al infractor que puede mentirnos como quiera y que está en su derecho. Esto para muchos de nosotros y sobre todo para las víctimas, y más si son “legos en derecho” no deja de ser una tomadura de pelo, por mucho que sea algo legalmente establecido en la ley.
La justicia restaurativa crea un ambiente seguro y estructurado en el que la víctima que quiera, de forma voluntaria, va a poder expresarse y obtener respuestas a muchas de sus preguntas, especialmente ¿Por qué a mí? sin evitar la sanción que le pueda corresponder al infractor. Esto es una forma de hacer justicia más digna que hacer de un juicio por asesinato, una especie de “circo” mediático. Sin embargo, no se puede olvidar que no todas las victimas querrán o necesitaran participar en procesos restaurativos igual que no todos los infractores estarán preparados para tomar parte o querrán asumir su responsabilidad, por eso es importante y necesario que la Justicia penal actual se torne más humana y para esto los valores de la Justicia Restaurativa deberían introducirse en el proceso penal. Así se logrará una justicia más cercana y adaptada a las necesidades reales y expectativas de las partes.
  


Criminología y JusticiaPosted: 26 Jun 2013 

terça-feira, 25 de junho de 2013

Foro e Universidade Católica de Pelotas promovem evento sobre Justiça Restaurativa

A Central de Conciliação e Mediação da Comarca de Pelotas e o Curso de Direito da Universidade Católica promoverão palestra sobre Justiça Restaurativa no próximo dia 2/7, às 19h30min, no Auditório Dom Antônio Zattera, no Campus I da UCPel, rua Félix da Cunha, nº 408.  

A palestra será proferida por Kay Pranis, que abordará os princípios da Justiça Restaurativa e terá como tema Conflitos: oportunidade de construir a Paz através dos processos Circulares.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas por meio do e-mail conciliamediaplt@tj.rs.gov.br ou mesmo no local do evento.

Sobre a palestrante

Kay Pranis, americana, é uma líder nacional em Justiça Restaurativa, respeitada internacionalmente, tendo-se especializado em Círculos de Construção de Paz.
Iniciou essa caminhada trabalhando no Departamento Correcional de Minnesota como Planejadora da Implantação da Justiça Restaurativa naquele ambiente, de 1994 a 2003.
É autora do livro Processos Circulares, Guia do Facilitador, e co-autora do Guia de Práticas Restaurativas No Coração da Esperança, Peacebuilding Circles - from Crime to Community e Doing Democracy with Circles ? Engaging the Community in Public Planning .

Blog

Buscando primar pela transparência e facilitar o acesso da população à justiça, a Central lançou seu blog, onde pode ser conferida a íntegra dos resultados das audiências e das pesquisas de satisfação, mês a mês, bem como as demais atividades da Central. Seu endereço é conciliacaopelotas.blogspot.com

Contato

O atendimento na Central é realizado de segundas a sextas-feiras, das 9h às 18h, na sala 706 do Foro de Pelotas (7º andar, na Avenida Ferreira Viana, nº 1134). Telefone (53) 3279.4900, ramal 1737. E-mail conciliamediaplt@tj.rs.gov.br.



Fonte: TJ Rio Grande do Sul - http://www.tjrs.jus.br/site/


domingo, 23 de junho de 2013

Justiça Restaurativa: o trabalho de quem busca instituir a cultura de paz nas escolas

Apontar os principais motivos de conflitos em ambientes como escolas, empresas e, inclusive, em família não é das tarefas mais difíceis, afinal, a maioria deles é motivada por questões simples, desentendimentos facilmente resolvidos com uma boa conversa, mas que, geralmente, resultam em agressões verbais e, até mesmo, nas vias de fato – violência. 
 
Os constantes casos de agressões e desentendimentos, que geram demandas em diversas esferas da sociedade, são prejudiciais para todo o sistema, seja no Judiciário ou nas redes sociais locais. Pensando exatamente neste problema, uma ação foi constituída pelo acordo de cooperação técnica nº 01/2012, assinado em 14 de agosto do ano passado pelo Tribunal de Justiça, por meio da Coordenadoria da Infância e Juventude, e da Secretaria de Estado de Educação, cuja proposta tem como público-alvo os alunos da rede estadual de ensino.
 
Inicialmente, o projeto piloto da Justiça Restaurativa – que, além de ser desenvolvido em Mato Grosso do Sul (MS), alcança os estados de Porto Alegre, São Paulo e Distrito Federal – é colocado em prática em três instituições de ensino da rede estadual de Educação. Em entrevista, a psicóloga Maria Cecília da Costa, que atua diretamente no desenvolvimento da ação, em MS, conta o objetivo do trabalho, os desafios e as oportunidades de mudança que a sociedade ganha. 
 
Qual é o principal objetivo da Justiça Restaurativa?
 
Maria Cecília da Costa (M.C.): Nós estamos em busca de restaurar as relações que foram perdidas, relações humanas, que com essa quebra de valores que se tem visto vão ficando esquecidas, isto é, restaurar relações em todos os ambientes, seja na escola ou no âmbito familiar e social, de um modo geral. 
 
Como a Justiça Restaurativa atua nas instituições de ensino e com as famílias dos estudantes?
 
M.C.: O trabalho consiste na mediação de conflitos, colocando as partes frente a frente para discutir e encontrar uma solução comum, evitando, assim, que estes problemas de fácil resolução cheguem desnecessariamente às esferas jurídicas. 
 
Quais são os conflitos mais comuns no ambiente escolar?
 
M.C.: Com muitos jovens reunidos, há questões que infelizmente já fazem parte da rotina deles, como o Bullying, a ameaça, o porte ilegal de armas, seja de fogo ou não, a homofobia, a violência verbal, vias de fato e o *Artigo 171 do Código Penal.
 
Em quais instituições de ensino o projeto já está sendo trabalhado e qual é o público atual atendido?
 
M.C.: O projeto piloto está em execução em três escolas de Campo Grande-MS: Hércules Maymone, Arlindo de Andrade Gomes e José Maria Hugo Rodrigues. Ao todo, serão 4700 alunos e 370 professores envolvidos na busca pela cultura da paz. Além da comunidade escolar, o projeto da Justiça Restaurativa visa atingir, também, as famílias desses alunos, que estão diretamente envolvidos com sua rotina, sua postura e suas ações dentro do ambiente escolar. O projeto ainda deve se estender a 82 escolas, dentro da Capital e no interior do Estado. 
 
O projeto, que, segundo a psicóloga Maria Cecília, tem sido bem recebido pela comunidade, busca colocar em prática aspectos como a aproximação familiar, a aceitação das diferenças, tudo com o acompanhamento dos pais, responsáveis e da direção das escolas. Todo o grupo, afirma Maria Cecília, precisa comprar a ideia, sendo que o desafio é mostrar ao aluno que é preciso colocar-se no lugar do outro, como uma atitude de respeito ao espaço e à personalidade de cada indivíduo, na instituição escolar. 
 
A psicóloga finaliza: “Um dos princípios da Justiça Restaurativa é o ‘empoderamento’ das vítimas sobre suas vidas, aliviar as tensões que ocorrem nestes ambientes e, consequentemente, organizar a vida e as perspectivas de cada indivíduo”. 
 
*”Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.” 

19 de Junho de 2013
Por Assessoria de Imprensa OMEP/BR/MS

Curso: Mediação de Conflitos e Justiça Restaurativa

Evento promovido pela Faculdade Meridional - IMED, com o apoio da ESA, será realizado na sede da faculdade em Porto Alegre (Av. Bastian, nº 121, Bairro Menino Deus).
Estão abertas as inscrições para o Curso: "Mediação de Conflitos e Justiça Restaurativa". O evento é promovido pela Faculdade IMED com o apoio da Escola Superior de Advocacia (ESA), e será realizado na sede da faculdade, em Porto Alegre (Av. Bastian, nº 121, Bairro Menino Deus).

Sob a coordenação de Mauro Gaglietti, o curso tem por objetivo propiciar o estudo e a pesquisa de técnicas não-adversariais de solução de conflitos.  Mauro Gaglietti possui Mestrado em Ciência Política/UFRGS e História, concluindo em 2005 na PUCRS o seu Doutorado. É professor titular da Faculdade Meridional (IMED) e do curso de Graduação em Direito da URI (Santo Ângelo); pesquisador e docente no Programa de Pós-Graduação em Direito - Mestrado - da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI. Desde outubro de 2010 coordena a implantação do Projeto Justiça Comunitária nos Bairros Zachia e Valinhos em Passo Fundo (RS) por intermédio da parceria envolvendo o Ministério da Justiça, a Prefeitura Municipal de Passo Fundo e a Faculdade IMED.

Os interessados em participar deverão fazer sua inscrição até julho deste ano, através do telefone: (51) 3232-1800; pelo site: www.imed.edu.br/poa ou na sede da IMED (Av. Bastian, nº 121, Bairro Menino Deus). O valor é de R$ 50,00, com 20% de desconto para advogados e estagiários inscritos na OAB/RS. O pagamento da taxa poderá ser feito por boleto bancário ou cheque.

O evento será realizado nas sextas-feiras (das 19h às 22h30min) e aos sábados (das 8h30min às 12h e das 13h30min às 17h), até dezembro de 2014.

Ao fim do curso, que possui duração de 390 horas/aula (incluindo a monografia), os participantes receberão certificado.

Também participarão do curso os professores: Simone Malucelli; Nelnie Lorenzoni;  Aline Casagrande; Ricardo Dorneles; Ronaldo Brandão Karnal; Fabiana Spengler; Conrado Paulino da Rosa; Afonso Armando Konzen; Cleonice Rodrigues Aires; Genacéia da Silva Alberton; André Karam Trindade; Marli Marlene Costa; Rosane Porto; Sheila Willani; Maurício Martins Reis; Jaqueline Mielke Silva; Fernando Tonet; Paulo Ferrareze Filho; Ana Paula Motta Costa; Maria Olinda Stein; Daniel Achutti; Raffaella Pallamolla; Christiane Freire; Luciano Migliavacca; Jorge Trindade; Lutiana da Rosa; Luiz Ronaldo Freitas de Oliveira; Thaíse Nara Grazziotin Costa; Natália Formagini Gaglietti; Albano Pepe; Angela Espindola; Salete Oro Boff; Isis Boll de Araujo Bastos; Cíntia Moura Amaro; Gilca Maria Lucena Kortmann; Fernanda Molinari; Pedro Joel Silva da Silva.

Programação:


Teoria Geral do Conflito
Métodos Alternativos de solução de Conflitos
Comunicação não violenta
Mediação
Justiça Restaurativa
A mediação de conflitos, os direitos fundamentais e o espaço público
A abordagem multidisciplinar do conflito
Constituição, Acesso à Justiça e Direitos Fundamentais
Conflito e Litígio: Limites e possibilidades
O ECA e a Justiça Restaurativa
Criminologia e Justiça Restaurativa
Direito de Família e a Mediação
Os conflitos humanos no âmbito da Psicologia Jurídica
Acesso à Justiça e a mediação em Luis Alberto WARAT
Metodologia da Pesquisa
Trabalho de Conclusão de Curso 

OABRGS.

Estão abertas as inscrições para a palestra ?Círculos de Justiça Restaurativa de Paz?, que será realizada no próximo dia 28 de junho


Estão abertas as inscrições para a palestra “Círculos de Justiça Restaurativa e de Construção de Paz”, com a instrutora norte-americana Kay Pranis, no próximo dia 28 de junho, das 9h às 11h, no auditório do Fórum Cível. A iniciativa do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), por meio da Coordenadoria Estadual da Infância e Juventude (CEIJ) e da Escola Superior da Magistratura (ESM-PA), que tem como objetivo disseminar informações gerais e modos de aplicação da Justiça Restaurativa. Serão oferecidas 300 vagas e a participação dará direito a certificado. 
A Justiça restaurativa consiste num método que parte do diálogo para a superação de conflitos, ou seja, discussão de relacionamentos para a resolução das diferenças, via consenso. Nesta prática os participantes tem igual oportunidade de ouvir e falar, proporcionando, desta forma, a restauração dos laços rompidos e a melhora das relações. 
O evento é voltado para membros do Judiciário, Defensoria Pública, Ministério Público, OAB, FASEPA, FUNPAPA, Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, Escola de Conselhos, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (pelo menos os da Região Metropolitana), PROPAZ, SEGUP, Polícia Civil, Polícia Militar, SEDUC, SUSIPE, Secretarias Municipais de Educação (Região Metropolitana), SEJUDH (especialmente a Coordenadoria de Monitoramento dos Direitos Violados), Universidades, Conselhos Tutelares, Corpo de Bombeiros (especialmente Escola da Vida), Conselho Regional de Serviço Social, Conselho Regional de Psicologia, Magistrados e servidores do TJPA e UNIPOP.
Currículo - A norte-americana Kay Pranis é instrutora e especialista em Círculos de Construção de Paz. De 1994 a 2003, trabalhou no Departamento Correcional de Minnesota com Justiça Restaurativa. Além disso, trabalhou com as lideranças de estabelecimentos correcionais da polícia, dos tribunais, de associações de bairros, comunidades religiosas e escolas, vizinhanças, famílias e empresas. É autora do Manual Básico de Processos Circulares e já palestrou nos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Austrália e Japão. (Texto: Vanessa Vieira)


Fonte: TJ Para - http://www.tjpa.jus.br/

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Diretoria de Ensino Centro Oeste recebe hoje (20) palestra sobre justiça restaurativa

“O adolescente em conflito com a lei, tráfico e consumo de drogas” serão temas discutidos

O desembargador Antônio Carlos Malheiros ministrará uma palestra nesta quinta (20), às 13h, para diretores, supervisores de ensino, dirigentes regionais e professores mediadores no auditório da Diretoria de Ensino da região Centro Oeste.

O evento é organizado pela gestão do Sistema de Proteção Escolar em parceria com o Conselho Tutelar da Lapa. “O adolescente em conflito com a lei, tráfico e consumo de drogas” e a “Justiça Restaurativa” serão os temas discutidos.
O objetivo é proporcionar aos profissionais da Educação um tempo para refletir sobre assuntos recorrentes na comunidade escolar com foco na construção do trabalho colaborativo e de corresponsabilidade.
A Diretoria de Ensino Região Centro Oeste fica na Rua Doutor Paulo Vieira, 257, no bairro do Sumarezinho.
Sobre o Sistema de Proteção Escolar
Criado em 2009, o Sistema de Proteção Escolar tem entre seus principais objetivos a prevenção de conflitos no ambiente escolar, a integração entre a escola e a rede social de garantia dos direitos da criança e do adolescente e a proteção da comunidade escolar e do patrimônio público.
Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. 20.06.2013.

Pastoral Carcerária no RGS prioriza justiça restaurativa e formação cristã

A Pastoral Carcerária no Rio Grande do Sul tem focado atenções para a formação dos agentes e sua melhor organização. Quem garante é irmã Imelda Maria Jacoby, uma das quatro coordenadoras estaduais, eleita em assembleia em 2012.
A atual coordenação tem representantes das quatro províncias eclesiásticas do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, Santa Maria, Passo Fundo e Pelotas, as três últimas criadas em abril de 2011, pelo papa Bento 16.
Ao site da PCr nacional, irmã Imelda explica como a pastoral tem ampliado as formações em justiça restaurativa e também valorizado a formação cristã nos cárceres, apesar da limitação da quantidade de agentes. Diante do panorama de que a maioria dos presos têm entre 18 e 30 anos, a irmã alerta: “é necessário que todo o Rio Grande do Sul tenha uma atenção bem clara à juventude que está nos presídio”.
Site PCr – Em 2012, em assembleia, a Pastoral Carcerária no Rio Grande do Sul elegeu nova coordenação. Desde então, quais têm sido as prioridades de ação?
Irmã Imelda Maria Jocoby – Assumimos aquilo que foi assumido no nacional, exatamente por serem necessidades nossas também: a formação e a organização. A partir disso, já tivemos um encontro a nível estadual, em março, com todos os coordenadores diocesanos e mais algumas pessoas para repassar às dioceses aquilo que nós vimos na assembleia nacional de novembro de 2012. Basicamente, assumimos dois aspectos. O primeiro, a sensibilização para a justiça restaurativa, porque nós, no Rio Grande do Sul, tivemos a oportunidade de participar da formação que o nacional da pastoral nos concedeu sobre os fundamentos da justiça restaurativa, a escola ESPERE [Escola de Perdão e de Reconciliação], pois para haver mudança na estrutura da justiça punitiva é preciso, em primeiro lugar, experienciar e perceber o quanto cada um de nós tem violência dentro de si, trabalhar isso pessoalmente para depois também chegar dentro dos presídios, no relacionamento que temos como a pessoa apenada.
Site PCr – Essa sensibilização já tem produzido resultados?
Irmã Imelda – Esse trabalho de sensibilização foi muito significativo. No Rio Grande do Sul, diversas dioceses estão solicitando esse curso. Há pouco, fizemos um em Passo Fundo, com a presença de agentes penitenciários, membros da Pastoral Carcerária e educadores. Sem falar da participação de estudantes de teologia, algo que eu considero um avanço muito grande, porque nós precisamos colocar esses fundamentos da justiça restaurativa a nível mais amplo, para atingir também os sacerdotes.
Site PCr – E quanto ao segundo aspecto assumido, qual é?
Irmã Imelda – O segundo aspecto que trabalhamos é a formação cristã. Nós repassamos esse conteúdo que recebemos da coordenação nacional, o multiplicamos em apostilas para as dioceses. Então, a formação cristã está em todas as dioceses, não digo que esteja sendo aplicada na íntegra, mas já chegou. O encontro formativo de março, que não foi a assembleia, ajudou a capacitar os coordenadores diocesanos, já que uma coordenação regional não tem possibilidade de chegar a todas as dioceses. Já estive fazendo esse repasse, dando esse reforço de conteúdo, para as coordenações diocesanas em Passo Fundo, Uruguaiana, Santo Ângelo, Pelotas e Porto Alegre.
Site PCr – De modo geral, como as autoridades veem o trabalho da pastoral no Rio Grande do Sul?
Irmã Imelda – Existe muita abertura por parte dos poderes públicos a nosso trabalho, sentimos que a pastoral tem credibilidade. Por outro lado, tenho notado, após assumir a coordenação e conhecer mais a realidade do estado, que temos poucos agentes, e assim a presença da Pastoral Carcerária está carente. Daí a necessidade de investimentos, trabalhos que necessitamos fazer para que realmente a pastoral seja visível dentro das unidades prisionais. É uma carência que eu percebo e que os poderes públicos também percebem. Então, temos credibilidade, mas nossa presença é insuficiente pela quantidade de agentes de pastoral.
Site PCr – E o que tem sido feito para reverter essa falta de agentes?
Irmã Imelda – Temos feito, corajosamente, junto com o Setor Juventude do Rio Grande do Sul, um trabalho de desafiar os assessores do setor, que são sacerdotes e irmãs, a um contato direto com o Presídio Central, em Porto Alegre. Fiz um trabalho de preparação com eles, é equipe de 30 pessoas, e fomos, em grupos, ao presídio, que é um caos, horrível, um dos piores do Brasil. Os assessores foram às galerias do presídio e tiveram contato direto com a realidade, em que a grande maioria dos presos é de jovem. Chegou-se ao consenso de que há um desafio: é necessário que todo o Rio Grande do Sul tenha uma atenção bem clara à juventude que está nos presídios. Fiquei muito feliz com a ida dos assessores, e disse a eles que tenho certeza de que agora nas dioceses, eles terão uma atenção especial à realidade prisional.
Site PCr – Outras unidades prisionais no estado têm situações parecidas com a do Presídio Central?
Irmã Imelda – Há necessidades urgentes em todas as unidades, como a superlotação. É necessário realmente que se faça algo. Somos contrários ao encarceramento em massa, que leva à degradação do ser humano. Estamos tentando minimizar essa situação com a nossa presença, com o apoio, com o trabalho de base, juntamente com os que atuam pelos direitos humanos. Temos realizado, por exemplo, semanas missionárias dentro dos presídios, com os sacerdotes. O encarcerado necessita desse apoio espiritual e a nossa presença no presídio é para ser também este rosto de Jesus, da Igreja. Seria muito bom que o clero, como um todo, pudesse acreditar no valor e na importância de sua presença no presídio. Temos feito essa experiência na Arquidiocese de Passo Fundo, com uma semana intensiva, em que há um missionário para atender os presos, visitar cela por cela, conversar com eles, fazer momentos celebrativos, incluindo a celebração para o sacramento da Reconciliação, que é um direito que preso tem.

Por Daniel Gomes, assessor de imprensa da Pastoral Carcerária Nacional

- See more at: http://carceraria.org.br/pcr-no-rio-grande-do-sul-prioriza-justica-restaurativa-e-formacao-crista.html#sthash.tMMzOsNm.dpuf

Pastoral Carcerária reflete sobre justiça restaurativa

O objetivo do encontro era iniciar um processo de organização da Escola de Perdão e Reconciliação – Espere em Erexim

Os agentes da Pastoral Carcerária da Diocese de Erexim reuniram-se, no último sábado, dia 15 de junho, no Centro Diocesano de Pastoral, em Erechim para debater e refletir sobre justiça restaurativa. No encontro também foi conversado sobre o processo de organização da Escola de Perdão e Reconciliação. Também participaram do encontro os membros da equipe da Pastoral da Educação, padre Maicon Malacarne, pela Pastoral da Juventude, irmã Vera Lucia da Silva, pelo Ensino Religioso da 15ª CRE, padre Paulo César Bernardi e o diácono Almeri Bornelli, da Paróquia São Pedro. 

A coordenadora da Pastoral Carcerária do Regional Sul 3 da CNBB, Ir. Imelda Jacob, refletiu sobre o tema da justiça restaurativa, que é uma proposta vivenciada pela Pastoral Carcerária, e que se constitui num caminho de conversão, pela prática da acolhida, do perdão e da reconciliação, superando a violência e concretizando a cultura da paz. 



(Encontro aconteceu no Centro Diocesano de Pastoral / FOTO: DIVULGAÇÃO / DM)


No fim, a irmã apresentou o projeto da Escola de Perdão e Reconciliação – Espere, com as dimensões e os passos a serem seguidos. Esta proposta de formação foi assumida pelos presentes, que os encaminhamentos para a realização da primeira etapa, no mês de agosto.

Escolas de perdão e reconciliação – Espere
As Escolas de Perdão e Reconciliação – Espere são uma iniciativa para a superação do ódio e da violência, difundida especialmente pela Pastoral Carcerária. A iniciativa surgiu em Bogotá, Colômbia, no ano 2000, por iniciativa do Pe. Leonel Narváez Gómes, doutor em Sociologia pela Universidade de Harvard, especialista no combate à violência. Bogotá era considerada uma das cidades mais violentas do mundo. Hoje, é denominada cidade da paz. A iniciativa do Pe. Leonel recebeu menção honrosa do Prêmio Unesco Educação para a paz 2006. 

As Espere se difundiram rapidamente no Peru, México, EUA e África. No Brasil, as primeiras cidades em que foram introduzidas foram Janeiro, em Niterói, Belo Horizonte, Salvador e Goiânia. 

As Espere mostram como, a partir de uma experiência religiosa consciente e aberta ao enfrentamento da realidade, podem brotar estratégias eficientes para a superação da violência e da criminalidade, para a regeneração de pessoas. Essas escolas são, basicamente, um serviço para as vítimas da violência, procuram recuperar seu ser ferido pelo que passaram, funcionam como terapia de grupo e com suas dinâmicas facilitam a aplicação da sabedoria das pessoas simples, com efeito igual ou maior que o conseguido por profissionais caros e inacessíveis às comunidades pobres. Além disso, seus animadores se tornam multiplicadores de uma cultura de paz e mediadores de conflitos, gerando um trabalho de prevenção. 
Independentemente da intensidade da violência, ela fere três aspectos da existência humana: o significado da vida, a segurança e a socialização.


Redação Erechim
(Redação Erechim / DM)

quinta-feira, 20 de junho de 2013

¿Somos punitivos por naturaleza?

Es cierto que hablar de Justicia Restaurativa en un mundo en el que todos y cada uno de los días, se clama por penas más duras, como si esto fuera la panacea a los problemas y la solución a la delincuencia es un poco complicado o al menos puede serlo en un principio,  porque la realidad nos demuestra que somos más punitivos los que nunca hemos sido víctimas, mientras que muchas que sí lo son, lo único que desean de la justicia es ser escuchadas, respetadas y obtener una reparación o mitigación del daño que el delito las ha causado. Sin embargo, esto es más complicado de lo que pueda parecer, ya que aunque no seamos muy punitivos por naturaleza, tal parece que nos vemos influenciados para serlo, y para ilustrar esto nada mejor que un ejemplo. 
Estos días se está celebrando un juicio de un padre, acusado de matar a sus hijos y luego denunciar su desaparición, obviamente el caso por sus terribles circunstancias siempre ha sido mediático, sin embargo hay algo que no logro comprender  y es que el juicio de este presunto asesino sea el objetivo casi exclusivo de todos los programas de televisión, llegando incluso a verse las imágenes del juicio, casi de forma instantánea. Estos medios desgranan cada palabra, cada actitud del infractor con expertos que en una u otro forma, no hacen sino reafirmar la maldad de un hombre que mató a sus hijos.
¿Cómo no sentir ira y deseos de venganza? Por supuesto, que es lógico y normal pero si además todo el día y a todas las horas tenemos en mente el caso, es difícil que no nos veamos “tocados” como seres humanos que somos por el dolor que este hombre ha causado y veamos en el más terrible de los castigos, una forma de mitigar un poquito el terrible daño. Comprendo el derecho de información de los medios de comunicación y estoy de acuerdo que es importante conocer lo que ocurre a nuestro alrededor pero considero excesivo tratar el tema de forma tan exhaustiva que casi convierte al presunto asesino en una estrella mediática. Tanto protagonismo ¿no es alimentar el ego y la vanidad de este delincuente y de otros potenciales que se animen a imitar el delito para “copar” los medios de comunicación y “hacerse famosos”?
Sin duda me parece un riesgo, y es algo propio de la sociedad actual que vivimos, en la que a la vez que podemos estar informados casi a tiempo real de lo que ocurre en cualquier parte del mundo, también esto puede generar sus efectos negativos. Y por supuesto nosotros también nos vemos influenciados por lo que vemos en los medios,  por eso más que punitivos por naturaleza, considero que es imposible no serlo porque nos “empujan” a ello.  Socialmente cuando nos “bombardean” en prensa con la información más que detallada de los crímenes, el ser punitivo es la única respuesta que encontramos para hacer frente a la indignación y la rabia que surge en nosotros, y mucho más si para colmo, se nos muestra que el delincuente ni se arrepiente ni reconoce los hechos.
Otra cosa es qué sentimos de manera personal, por supuesto que ser víctima de un delito provoca indignación, ira, humillación y venganza o deseo de compensar el daño sufrido inflingiendo dolor al infractor. Sin embargo, si se ahonda en las necesidades de las víctimas, ya he dicho que son tan punitivas, lo que reclaman generalmente es que nadie vuelva a pasar por lo que ellas han sufrido. La Justicia Restaurativa es la que puede abordar el trauma de las víctimas de una manera más satisfactoria, escuchándolas, ayudándolas a hacer frente el daño sufrido con el delito y a obtener la reparación moral y/o material adecuada a sus necesidades reales y a sus sentimientos, no una reparación jurídica impuesta por un tercero ajeno a ellas y sus expectativas reales. Este es el problema, el delito no es un concepto jurídico simplemente, el delito afecta a seres humanos y genera sentimientos diferentes y distintos en cada persona. No todas las víctimas de los mismos delitos, tendrán iguales necesidades y la Justicia Restaurativa permite atender a cada una de una forma individualizada. Frente a esto, la justicia tradicional retributiva reduce el delito a algo jurídico, a conceptos y procedimientos iguales para todos, llenos de burocracia y a menudos incomprensibles. La retribución se centra en la dimensión pública de la delincuencia, por eso los profesionales de la justicia pueden sentir que se ha hecho justicia, pero las partes directamente afectadas, suelen en cambio sentirse frustradas con la idea de que no hay justicia.
 ¿Por qué? La Justicia Retributiva o punitiva se centra de forma exclusiva en que el mayor de los castigos posibles se imponga al culpable, olvidándose de las víctimas casi por completo. Este castigo no mitiga, ni repara por si solo el daño causado, quizá ayuda a las víctimas a pensar que durante un tiempo este delincuente no volverá a dañar a nadie pero esto solo retrasa el dolor y no compensa el daño real y tangible que sufrieron. Para los que no hemos sido víctimas, pero sí somos potenciales, puede suponer más que un alivio y una forma de recuperar el sentimiento de seguridad al saber que el delincuente tardará tiempo en salir a la calle y en tener una nueva oportunidad de delinquir. De alguna manera, el daño potencial de sufrir un delito se mitiga o compensa, evitando durante cierto tiempo este riesgo, por eso frecuentemente somos los que no hemos sido víctimas, los más punitivos. Pero para las víctimas directas, o al menos muchas de ellas, es necesario algo más, algo que no consiguen con ser punitivas exclusivamente: la restauración emocional. Aquí es donde tiene cabida y da esperanzas la justicia restaurativa, abordando las dimensiones emocionales de la delincuencia y transformando y canalizando estas emociones no positivas y destructivas por algo constructivo (motivaciones sanadoras). Esto no servirá para todas y cada una de las personas que sufren un delito, pero para muchas si, (más de las que podemos pensar).
Tanto la Justicia Retributiva como la Restaurativa aunque puedan para parecer radicalmente diferentes, tienen el mismo objetivo y este es reequilibrar las consecuencias del delito, la diferencia es que una se centra en el castigo y otra en la víctima y sus necesidades. No son tan opuestas sino más bien dos caras de una misma moneda, para mi, hay cierto componente de retribución pero constructivo en la Justicia Restaurativa ya que ésta se pregunta qué clase de deuda tiene el infractor y qué debe hacer para pagar esa deuda, el castigo existe pero primero se intenta reparar a la víctima ( en un intento de mostrar a los ciudadanos en general y al delincuente en particular, que todos estamos interconectados y nuestras conductas afectan a los demás, al igual que las de los demás nos afectan, por eso el que hace algo mal, tiene la obligación de hacer lo posible para corregirlo o compensarlo) y luego, ya se ve cual es el castigo que obviamente se tiene que imponer el delincuente por violar la norma. Como dice Braithwaithe, “la delincuencia duele y la justicia debe sanar”.
Me gustaría acabar con un documental que vi ayer y  que me dejó claro que no está en nuestra esencia en general, ser más punitivos que restaurativos, se trataba de una leoparda que sale a cazar dejando a su cría en la madriguera, cuando vuelve descubre que una pitón ha devorado a su cría con paciencia, la sigue hasta que la ataca....cuando uno ve el documental piensa que la va a matar, sin embargo, solo la ataca hasta que la pitón, viéndose atacada expulsa el cuerpo de su cría para escapar más rápido, para mi sorpresa la reacción de la madre leopardo no es la de atacar a la pitón hasta matarla, lo que hace es ocuparse del cuerpo de su cría. Si alguien duda de que la esencia natural de los seres vivos es más restaurativa que punitiva, solo tiene que ojear el documental para darse cuenta que no es la norma general, claro, otra cosa es que haya excepciones que también se deben respetar, porque los que trabajamos en Justicia Restaurativa para hacerlo bien, debemos escuchar a las víctimas, tanto a las que están a favor de esta justicia como las que están en contra ya que al fin y al cabo, tanto los que son más retributivos como los que son más restaurativos buscan un mundo mejor.

Criminología y JusticiaPosted: 19 Jun 2013

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Foro de Pelotas recepciona voluntários em Justiça Restaurativa

Foro de Pelotas recepciona voluntários em Justiça Restaurativa
Juiz Marcelo Malizia, Coordenador do Núcleo de Conciliação e Mediação da Comarca fez a acolhida da nova equipe   (Foto: Divulgação/Comarca de Pelotas)
O Foro de Pelotas promoveu reunião de acolhida aos 25 novos voluntários que atuarão no Núcleo de Justiça Restaurativa vinculado à Central de Conciliação e Mediação da Comarca.
A atividade realizou-se na tarde do último dia 17/6 no Salão do Tribunal do Júri, ocasião em que a Equipe Gestora da Central e Conciliação e Mediação recebeu os novos voluntários que serão capacitados pelo Tribunal de Justiça e iniciarão os trabalhos no próximo mês de julho.
De acordo com o Juiz Coordenador da Central, Marcelo Malizia Cabral, os novos agentes de Justiça Restaurativa foram selecionados dentre dezenas de interessados no voluntariado, todos com conduta ilibada e formação em curso superior.
Os voluntários atuarão na prevenção e tratamento de conflitos escolares, familiares e comunitários que envolvam alguma forma de violência. Serão utilizados métodos autocompositivos capazes de propiciar a responsabilização, a reparação e a restauração situações fragilizadas por um conflito.
Os agentes atenderão casos encaminhados pelos Juízes da Comarca e também por instituições e entidades conveniadas.
Grupo de Estudos em Justiça Restaurativa
Além da formação e da coordenação e supervisão da atuação dos agentes de Justiça Restaurativa, a Central mantém Grupo de Estudos na área, com reuniões semanais sempre às terças-feiras, às 17 horas, na sala de audiências da Direção do Foro de Pelotas (sala 215, na Avenida Ferreira Viana, nº 1134).
Poderão participar do Grupo de Estudos quaisquer interessados no trabalho voluntário com Justiça Restaurativa junto à Central ou mesmo aquelas pessoas que tenham interesse unicamente acadêmico na matéria.

Blog
Buscando primar pela transparência e facilitar o acesso da população à Justiça, a Central lançou seu blog, onde pode ser conferida a íntegra dos resultados das audiências e das pesquisas de satisfação, mês a mês, bem como as demais atividades da Central. Seu endereço é conciliacaopelotas.blogspot.com

Contato
O atendimento na Central é realizado de segundas a sextas-feiras, das 9h às 18h, na sala 706 do Foro de Pelotas (7º andar, na Avenida Ferreira Viana, nº 1134). Fone (53) 3279.4900, ramal 1737. E-mail: conciliamediaplt@tj.rs.gov.br.



Fonte: TJ Rio Grande do Sul - http://www.tjrs.jus.br/site/

Conferência Nacional de Conciliação e Mediação

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com a Secretária de Reforma do Judiciário realiza a I Conferência Nacional de Conciliação e Mediação no dia 28 de junho, em Brasília/DF. As inscrições estão abertas de 27 de maio a 21 de junho.
Podem participar magistrados, promotores de Justiça, procuradores de Estado, defensores públicos, procuradores municipais, procuradores do trabalho, advogados, servidores do Judiciário, gestores de Órgãos do Executivo, acadêmicos em Direito, psicólogos, administradores, assistentes sociais, bem como conciliadores, mediadores, árbitros e estudantes. As inscrições podem ser feitas no link à direita da página.
A Conferência tem como objetivos:

1 – Divulgar práticas conciliatórias e da mudança de paradigma para uma cultura de paz;
2 – Promover discussões por meio de identificação e potencialização de experiências judiciais e extrajudiciais voltadas à mediação e a conciliação;
3 – Fortalecer a cultura da mediação pré-processual e processual;
4 – Estimular a construção de políticas públicas permanentes de mediação e conciliação junto à sociedade;
5 – Estimular o processo de formação de uma nova cultura voltada à pacificação social;
6 – Disseminar atividades de práticas autocompositivas inovadoras e criativas que contribuem para pacificação de conflitos com eficiência, agilidade e que obtenham resultados comprovados de aprimoramento no âmbito da Justiça;
7 – Promover o debate dos vários agentes envolvidos com o sistema judicial para potencialização da utilização dos métodos consensuais de resolução de conflitos pela sociedade.
Palestrantes confirmados:

Adolfo Braga
Adriana Beltrame
Alberto Ninio
Alessandro Stefanuto
Amélia Rocha
Ana Louzada
Ana Magalhães
Ana Valéria Gonçalves
Atalá Correia
Carlos Alberto de Salles
Carlos Eduardo Vasconcelos
Conselheiro Emmanoel Campelo
Conselheiro Guilherme Calmon
Daldice Santana
Daniela Gabbay
Diego Faleck
Edson Landim
Ernesto Rezende Neto
Eugênia Zarenczanki
Eutália Coutinho
Fernanda Souza Hutzler
Fernanda Tartuce
Gabriela Asmar
Genaceia Alberton
Gilda Sigmaringa Seixas
Gisela Wurlitzer Diniz
Giuseppe de Palo
Izabel Cristina Peres Fagundes
José Carlos Ferreira Alves
Jurandir Pinheiro
Karla Nockleby
Leila Lima
Liara Lopes Krüger
Luciane Moreira Vargas
Luciano Badini
Marcella Nova Brandão
Marcelo Girade
Márcia Terezinha Amaral
Maria Berenice Dias
Maria Inês Três Rios
Ministro Marco Aurélio Buzzi
Ministro Walmir Costa
Petrônio Calmon
Reynaldo Fonseca
Ricardo Pereira Jr
Rory Van Loo
Simone Bastos
Tania Almeida
Vanderci Alvares
Vanderlei Tremeia Kubiak


Serviço:

Data: 28/6/2013
Horário: das 8h às 18h
Local: Tribunal Superior do Trabalho (TST) – Brasília/DF
Público-alvo: aberto ao público em geral
Inscrições: de 27 de maio a 21 de junho de 2013


Site: http://www.cnj.jus.br/evento/eventos-novos/conferencia-nacional-de-conciliacao-e-mediacao em 18/06/2013.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Pastoral Carcerária reflete sobre justiça restaurativa

Pastoral Carcerária reflete sobre justiça restaurativa

Os agentes da Pastoral Carcerária da Diocese de Erexim reuniram-se no último sábado, dia 15 de junho, no Centro Diocesano de Pastoral, em Erechim.
Além dos agentes desta pastoral, também participaram do encontro os membros da equipe da Pastoral da Educação, Pe. Maicon Malacarne, pela Pastoral da Juventude, Ir. Vera Lucia da Silva, pelo Ensino Religioso da 15ª CRE, Pe. Paulo César Bernardi e Diác. Almeri Bornelli, da Paróquia São Pedro, Erechim.
Depois de um momento de oração, conduzido pela coordenadora diocesana da Pastoral Carcerária, Olinda Detoni, o Pe. Cezar Menegat, coordenador diocesano de pastoral, acolheu os presentes e falou do objetivo do encontro, de iniciar um processo de organização da Escola de Perdão e Reconciliação – ESPERE, na Diocese de Erexim.
Em seguida, o bispo diocesano, Dom José Gislon, agradeceu o trabalho de todos e motivou que se continue a missão de testemunhar Jesus Cristo nos ambientes prisionais, cuidando da vida e da dignidade humana. Ressaltou também a importância da presença da Igreja junto aos encarcerados, contribuindo na sua caminhada de regeneração.
Depois, a Ir. Imelda Jacob, coordenadora da Pastoral Carcerária do Regional Sul 3 da CNBB, que honrou a diocese com sua presença, refletiu sobre o tema da justiça restaurativa, que é uma proposta vivenciada pela Pastoral Carcerária, e que se constitui num caminho de conversão, pela prática da acolhida, do perdão e da reconciliação, superando a violência e concretizando a cultura da paz.
Por fim, a Ir. Imelda apresentou o projeto da Escola de Perdão e Reconciliação – ESPERE, com as dimensões e os passos a serem seguidos. Esta proposta de formação foi assumida pelos presentes, que os encaminhamentos para a realização da primeira etapa, no mês de agosto.

Jornal Boa Vista. 17/06/2013

Conciliação, Mediação e Justiça Restaurativa na FENADOCE

Conciliação, Mediação e Justiça Restaurativa na FENADOCE
Foto: Foro de Pelotas/Divulgação
A Central de Conciliação e Mediação da Comarca de Pelotas esteve presente na Feira Nacional do Doce (FENADOCE), informando sobre acesso à Justiça, cidadania, Conciliação, Mediação e Justiça Restaurativa. A participação ocorreu nos dias 10 e 11/6, no espaço da Prefeitura Municipal de Pelotas.

Durante dois dias da Feira, conciliadores, mediadores, servidores e colaboradores do Foro de Pelotas, acompanhados do Ajuizadinho, boneco temático da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul, prestaram informações a 800 pessoas sobre as formas de composição amigável de conflitos.

A iniciativa integra uma série de atividades de conscientização da comunidade sobre a importância da Conciliação, da Mediação e da Justiça Restaurativa como formas adequadas, céleres, seguras e eficientes de resolução de conflitos.

Voluntária Mariângela Garcia Gonçalves prestou informações à comunidade sobre o trabalho da Central de Conciliação e Mediação em Pelotas

De acordo com o Juiz de Direito Coordenador da Central de Conciliação e Mediação de Pelotas, Marcelo Malizia Cabral, além de divulgar o serviço da Central, a ação busca mostrar as vantagens da solução pacífica e dialogada de conflitos.

Essas atividades de informação da comunidade sobre acesso à justiça, cidadania e meios alternativos de resolução de conflitos são recomendadas pela Resolução nº 125/2010, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e inserem-se no Setor de Cidadania da Central de Conciliação e Mediação.

Blog

Buscando primar pela transparência e facilitar o acesso da população à Justiça, a Central mantém blog, no qual pode ser conferida a íntegra dos resultados das audiências e das pesquisas de satisfação, mês a mês, bem como as demais atividades da Central. Seu endereço é conciliacaopelotas.blogspot.com

Contato

O atendimento na Central é realizado de segundas a sextas-feiras, das 9h às 18h, na sala 706 do Foro de Pelotas, 7ºandar, na Avenida Ferreira Viana, nº 1134. Telefone: (53) 3279.4900, ramal 1737, e-mail conciliamediaplt@tj.rs.gov.br.

EXPEDIENTE
Texto: Com informações da Comarca de Pelotas
Assessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arend
imprensa@tj.rs.gov.br 

sábado, 15 de junho de 2013

CDHEP contribuiu no desenvolvimento de práticas restaurativas em presídios na região de Passo fundo, RS.

Programa visa levar para o ambiente prisional a resolução de conflitos de forma pacífica. Matéria do jornal Diário da Manhã fala sobre o trabalho que o CDHEP realiza em presídios    do Brasil.
Por: Daniele Canfil
A Susepe – Superintendência dos Serviços Penitenciários, através da 4ª Região Penitenciária, trouxe ao Presídio Estadual de Erechim o projeto de Justiça Restaurativa e Mediação de Conflitos que busca resolver os conflitos internos e externos de forma pacífica. O projeto iniciou com a formação dos servidores, em dois cursos realizados em Passo Fundo e Porto Alegre, e agora o programa está sendo colocado em prática dentro da unidade prisional.

A coordenadora do programa de Perdão e Justiça Restaurativa do Centro de Direitos Humanos e Educação Popular de Campo Limpo – São Paulo, Petronella Maria Boonen, que ministrou um dos cursos aos agentes, esteve em Erechim durante todo o dia de ontem (22), realizando filmagens acerca do trabalho realizado na unidade prisional. O material será compilado em um DVD que será apresentado em todo Brasil.
Ela conta que este projeto está sendo trabalhado em diversos presídios do Brasil, onde os servidores estão sendo capacitados sobre os fundamentos e práticas da Justiça Restaurativa. Ele se estende aos apenados, a relação deles com os servidores, família e sociedade e, também, entre os próprios servidores. “Os trabalhos começam com o apenado reconhecendo o que fez, assumindo as responsabilidades por aqui e tendo vontade de restaurar.
Mas para que isso seja possível o ambiente tem que ser restaurativo”, observa.
Para Petronella, o Presídio Estadual de Erechim sai na frente porque os agentes e a própria direção já realizaram a formação, e estão investindo para que o ambiente torne possível de se restaurar. “Aqui a direção está preocupada em fazer isso tanto internamente no presídio quanto na relação dos apenados com a sociedade. Não é possível ser só um presídio restaurativo, você tem que ter uma comunidade que queira dar oportunidade para esse preso se restaurar e as vítimas serem restauradas”, aponta.
A primeira etapa é o sistema carcerário dar possibilidade às pessoas se restaurarem e compor os laços familiares. Mas o segundo momento, e porque não o mais importante, é a sociedade também entrar nessa relação.
Para a psicóloga e coordenadora regional do Programa da Justiça Restaurativa da 4ª Região Penitenciária, Neise Borowski, à medida que o ambiente do presídio se torna mais pacífico, certamente melhora para o servidor e para o apenado. “Inclusive para que ele não cometa outros tipos de crime aqui dentro, mas que ele aprenda mais uma forma de se relacionar com os colegas de cela, os agentes e assim estará aprendendo a se relacionar melhor com a sociedade em geral”, enfatiza. Grupos de estudo em Passo Fundo e Porto Alegre
A 4ª Região Penitenciária realiza, na primeira quarta-feira do mês, um grupo de estudo sobre Justiça Restaurativa e Mediação de Conflitos. O encontro acontece na faculdade Imed em Passo Fundo, às 14 horas. Já em Porto Alegre o grupo acontece na Escola Penitenciária, sempre na segunda quinta-feira de cada mês, também às 14 horas. Toda a população é convidada a participar e estudar o tema.

O que é Justiça Restaurativa?
As práticas restaurativas compreendem um conceito ampliado de justiça, e, assim, transcendem a aplicação meramente judicial de princípios e valores da Justiça Restaurativa. Além do campo da justiça institucional, as reflexões propostas pelo modelo Restaurativo permitem visualizar e reconfigurar a forma como as pessoas atuam nas atividades judicativas quotidianamente, nos relacionamentos, nas instâncias informais de julgamentos, em ambientes como a família, escola ou trabalho.

Por isso, embora partindo do âmago do Sistema Jurídico e confrontando concretamente as práticas da Justiça Institucional, os princípios e métodos da Justiça Restaurativa podem ser estendidos aos mais diversos campos de aplicação, revelando grande potencial na resolução de conflitos e pacificação social.
Círculo Restaurativo
É um encontro entre pessoas diretamente envolvidas em uma situação de violência ou conflito, seus familiares, seus amigos e a comunidade. Este encontro, orientado por um coordenador, segue um roteiro pré-determinado, proporcionando um espaço seguro e protegido onde as pessoas podem abordar o problema e construir soluções para o futuro.

O procedimento como um todo se divide em três etapas: o pré-círculo (preparação para o encontro com os participantes); o círculo (realização do encontro propriamente dito) e o pós-círculo (acompanhamento). O Círculo não se destina a apontar culpados ou vítimas, nem a buscar o perdão e a reconciliação, mas a percepção de que nossas ações nos afetam e afetam aos outros, e que somos responsáveis por seus efeitos.
Centro de Direito Humanos e Educação Popular de Campo Limpo. Publicado em 

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...