“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de maio de 2012

JUSTIÇA RESTAURATIVA E PRISÃO


JUSTIÇA RESTAURATIVA E PRISÃO 

Quando: 05 de junho 

Local: auditório do Centro de Ciências Jurídicas – CCJ da UFSC 


Horário:  08:00 


Palestrantes convidados: 

César Barros Leal 
Procurador do Estado do Ceará . Doutor e Pós-Doutor pela Universidade Nacional Autônoma do México. Pós-doutorando em Direito pela UFSC. 


Jackson da Silva Leal 
Advogado Criminalista. Mestrando em Politica Social pela Universidade Católica de Pelotas 

Organização: 


UNIVERSIDADE SEM MUROS – Projeto de Pesquisa e Extensão coordenado pela Professora Vera Regina Pereira de Andrade 

Atividade aberta à comunidade     

   

Conferência


V Conferencia Bienal del Observatorio Internacional de Justicia Juvenil - ¿Criminalidad o Exclusión Social? Justicia para los niños en un Mundo Dividido
Antes incluso de “la restricción crediticia” de 2008 y de la crisis económica de 2011, la globalización de los sistemas neo-liberales económicos y fiscales ha tenido un efecto generador de la polarización social, económica y cultural.
Éste fenómeno ha tenido cómo resultado un número cada vez mayor de niños, jóvenes y familias que se encuentren ubicados en una situación de desigualdad de oportunidades y de desventaja social, desplazándoles a los márgenes de nuestra sociedad.
Estas formas de discriminación están también presentes entre jóvenes tanto de ciudades europeas como norteamericanas y, tal y como comenta Malcom Stevens, el Comisario del OIJJ en el Reino Unido, “una nueva y silenciosa entrada hacia un tipo de crimen y delincuencia, con distintos valores de justificación y con una perspectiva distinta de la seguridad y del respeto”. (Ver el Dictamen del Comité Económico y Social Europeo y del OIJJ sobre espacios urbanos y violencia juvenil).
En consecuencia, el Observatorio Internacional de Justicia Juvenil se complace en anunciar que la V Conferencia Bienal tendrá lugar en el Olympic Park de Londrés, del lunes 5 al miércoles 7 de noviembre de 2012.
La conferencia tiene como objetivo el contacto con la realidad que, como resultado de la polarización económica y social y la crisis económica mundial, muestra como aumenta el número de niños, de jóvenes y de padres de familia que se encuentran en zonas de desventaja social, donde el riesgo de entrar en contacto con el sistema de justicia penal es mayor.
La conferencia reunirá a más de 500 expertos de más de 50 países con el fin de abordar el impacto de la crisis mundial en el ámbito de justicia juvenil y en los Derechos de la Infancia. Algunos de los principales ponentes que participarán serán:
  • Dra. Marta Santos Pais, Representante Especial del Secretario General de las Naciones Unidas en materia de Violencia contra el Niño..
  • Prof. Dr. Jean Zermatten, Presidente del Comité de Derechos del Niño de las Naciones Unidas.
  • Prof. Dr. John Hagedorn, Universidad de Illinois, Estados Unidos.
  • Chuka Umunna MP, Secretario de Estado Británico de Negocios, Innovación y Competencias.
  • John Drew, Consejo de Justicia Juvenil para Inglaterra y Gales - Reino Unido.
El comité científico de la conferencia estará presidido por:
  • Prof. John Pitts, Universidad de Bedfordshire, Reino Unido.
  • Prof. Dr Frieder Duenkel, Universidad de Greifswald, Alemania.
La Conferencia abordará, a través de presentaciones, talleres, mesas redondas así como una extensa exposición de ponencias, los siguientes temas:
  • Prevención y medidas extrajudiciales para niños y jóvenes en conflicto con la ley.
  • Bandas juveniles y revueltas en áreas urbanas: promover la inclusión social.
  • Los derechos del niño y la reducción de costes.
  • Buenas prácticas en materia de justicia juvenil y búsqueda de un marco común de referencia internacional.
  • El rol de Internet y las redes sociales y su influencia sobre los Derechos del niño y en la participación de los jóvenes.
Las conclusiones y recomendaciones de esta V Conferencia serán presentadas a los organismos internacionales con las que el OIJJ mantiene estatus oficiales, como el Consejo Económico y Social de las Naciones Unidas, UNESCO, el Consejo de Europa, la Comisión Europea a través de su foro sobre los Derechos del Niño, la Agencia Europea de Derechos Fundamentales y el Comité Económico y Social Europeo.

Lo próximo…

Para la convocatoria de ponencias, por favor póngase en contacto con el 

En lo referente a la Conferencia y a su organización, por favor contacte con  o visite la página web www.ijjo2012.org.uk. En esta ocasión para la organización de esta 5ª Conferencia Internacional, el OIJJ contará con el apoyo profesional de Progress Events Ltd.

Para información general sobre la Conferencia puede ponerse en contacto con nosotros en la siguiente dirección 

Victims, Offenders and Communities in Restorative Justice

Del 14 de Junio de 2012 al 16 de Junio de 2012


  1. 7th Biennial Conference of The European Forum for Restorative Justice
    1. Victims and Restorative Justice
    Although restorative justice puts victims and offenders at the heart of the response of crime, concerns are voiced about the position of victims in restorative justice practices. The European Forum is the promoter in a research project on the needs, experiences and position of victims in restorative justice. Preliminary results of this research will be presented and we invite people to hold workshops on this topic – victims and restorative justice – to enrich the debates and distinguish crucial themes. Furthermore, the European Commission has drafted a new Directive on Victims (18 May 2011) to replace the current Framework Decision on the Standing of Victims in Criminal Proceedings (2001); an update on the restorative justice elements of the draft will be available at the Conference.
    2. Offenders and Restorative Justice
    When it comes to offenders and restorative justice, a first focus often lies with recidivism but broader issues are at stake such as offender rehabilitation and reintegration into the community. We explicitely invite people working in probation and the criminal justice system to submit workshop proposals focusing on their experience of restorative justice and working with offenders.
    3. The Community and Restorative Justice
    As restorative justice develops, we see more ways of how it can progress to include more meaningful participation by the community, for example through different forms of conferencing and circles. Furthermore, more areas within the community can be distinguished where restorative justice practices can be used in schools and the workplace, for example. We invite workshop proposals on bringing restorative justice in the community.
  2. Ámbito
    Europa
  3. Organización
    The European Forum for Restorative Justice (Foro)
  4. Materia
    Justicia, Restaurativa
  5. Celebración
    • Helsinki Finlandia

  6. Más Información

DEADLINE EXTENSION | Call for Papers: III International Congress on Mediation: Mediation and Arbitration , 18th-20th October 2012, Lisbon


Dear Sir/Madam,

The Centre for Public Administration and Public Policies (CAPP) of the School of Social and Political Sciences (ISCSP), Technical University of Lisbon (UTL), organizes the III International Congress on Mediation, dedicated to Mediation and Arbitration, which will occur at ISCSP, Lisbon, from the 18th to the 20th October 2012.

Considering the recent legislation on Volunteer Arbitration, approved by the Law n.º 63/2011, 14th December, the increasing relevance of Mediation and Arbitration are assuming both in the national context but also internationally, it is quite a relevant choice of this important issue as a central one for the third edition of the International Congress on Mediation, as important tools to alternative dispute resolution, allowing the analysis of the way how both are possible to associate and develop on an integrated way.

The III International Congress on Mediation will have plenary sessions with the participation of invited speakers and will continue the tradition of organizing workshops, essentially practical ones, in order to bargain different experiences, spreading good practices on Mediation and Arbitration.

As such, and with such a renewed enthusiasm, CAPP is aiming to exalt, once again, the World Day on Conflict Resolution, celebrated every third Tuesdays of October, through the organization of the III International Congress on Mediation.

The organization of the III International Conference on Mediation – Mediation and Arbitration invites you to submit the abstracts of the communications you wish to present at the different workshops. All the proposals should be sent by e-mail to: mediation@iscsp.utl.pt  until the 30th June 2012.

Please find attached the Congress Call for Abstracts and the Application Form.


Yours sincerely,

Com os melhores cumprimentos,
Carolina Barata

Gabinete de Apoio às Unidades de Investigação/ R&D Support Centre
Gabinete 36 | Piso 0
213 600 426 - fixo directo

Descrição: Descrição: logótipo-ISCSP
© Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas/ School of Social and Political Sciences
Universidade Técnica de Lisboa/ Technical University of Lisbon

VALORIZAMOS PESSOAS/ WE VALUE PEOPLE

Projeto dissemina Justiça Restaurativa na Grande Ilha de São Luís


Funcionando em São José de Ribamar desde 2009, o projeto RestaurAÇÃO continua difundido as práticas da Justiça Juvenil Restaurativa nos municípios da Grande Ilha de São Luís e da região tocantina.

Somente este mês, foram promovidos dois importantes encontros que envolveram profissionais ligados a área da assistência social e proteção das crianças e adolescentes das cidades de São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Raposa, além de Imperatriz e Açailândia.

A primeira reunião aconteceu no início do mês no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) de São José de Ribamar. O segundo foi promovido na última segunda-feira (28) no CREAS da Raposa. Nas duas oportunidades, os agentes envolvidos receberam, como forma de capacitação, informações sobre o projeto e suas ações de promoção de uma cultura de não violência.

O projeto RestaurAÇÃO ainda prevê para o biênio 2012/13 cursos de capacitações de facilitadores e a disseminação da Justiça Restaurativa para os municípios envolvidos e para o interior do Estado, em especial nas cidades de Açailândia e Imperatriz, com uma meta de capacitar 100 profissionais da área de garantia dos direitos de crianças e adolescentes.

O projeto RestaurAÇÃO

Justiça Juvenil Restaurativa, iniciativa pioneira no Maranhão, vem funcionando como um importante mecanismo de resolução de conflitos envolvendo jovens e adolescentes e de promoção de uma cultura de não violência.

Desenvolvido em parceria pela Fundação Terre des hommes, Prefeitura ribamarense, Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública e Ministério da Justiça, o projeto, cuja sede funciona na Rua 06, Casa nº 636c, bairro Vila Sarney Filho (localizado nas Vilas de São José de Ribamar, uma das regiões mais populosas do município), já beneficiou centenas de pessoas (entre crianças, adolescentes, jovens, famílias e comunidade) com a realização de práticas restaurativas.

A implementação do Núcleo de Justiça Juvenil Restaurativa em São José de Ribamar agrega a cooperação de 20 espaços (entre atores governamentais e comunitários) que realizam e disseminam as práticas restaurativas, tendo capacitado 72 facilitadores de círculos restaurativos.

Entre as atividades do projeto está à articulação das lideranças comunitárias dos diferentes espaços do município para a difusão e implantação da Justiça Restaurativa, uma nova maneira de entender e fazer a Justiça. Ela possibilita que as partes envolvidas direta ou indiretamente em uma situação de conflito possam, através do diálogo, buscar a reparação e a restauração dos danos causados pelo conflito e promover a harmonia.

Na prática, a Justiça Restaurativa funciona quando as pessoas que foram afetadas por algum tipo de conflito (como uma briga, uma violência, um furto ou um assalto) se reúnem voluntariamente para juntas estabelecerem pelo diálogo um plano de ação que atenda às necessidades e garanta o direito de todos os afetados, com esclarecimento e atribuição de responsabilidades. Este prática é acompanhada por um facilitador, pessoa capacitada que vai ajudar no processo de resolução dos conflitos.

É importante destacar que o município de São José de Ribamar foi escolhido pela Terre des hommes para receber o projeto devido ao fato de possuir eficientes políticas públicas, implantadas pelo governo municipal, direcionadas para as crianças e adolescentes e com foco na inclusão social e geração de emprego e renda.

Glaucio Ericeira – Assessor de Comunicação e Imprensa PMSJR

Diretor da Susepe fala sobre Classificação de Presos e Justiça Restaurativa em programa da Rádio Piratini



Diretor da Susepe fala sobre Classificação de Presos e Justiça Restaurativa em programa da Rádio Piratini
Diretor apresenta ações e resultados de trabalhos realizados pela Susepe
Diretor apresenta ações e resultados de trabalhos realizados pela Susepe
Foto de Alina Souza - SECOM
O Diretor do Departamento de Segurança e Execução Penal da Superintendência dos Serviços Penitenciários, Mário Luis Pelz, concedeu entrevista para jornalistas da Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital (Secom). No programa RS Sem Fronteiras, da Rádio Piratini, o diretor da Susepe apresentou as iniciativas dos projetos de Classificação de presos e da Justiça Restaurativa, entre outros assuntos.
Confira:
RS Sem Fronteiras – Bloco 1 < clique para ouvir
Implantação do projeto de Classificação de Presos nas penitenciárias gaúchas; início no Interior do Estado; dissolução de facções e comandos de presos nas cadeias; critérios de classificação; bancos de dados do sistema; etapas de implantação do projeto; efeitos do projeto junto aos servidores e à sociedade. 
RS Sem Fronteiras – Bloco 2 < clique para ouvir
Resistência de presos e servidores ao projeto; implantação paralela da justiça restaurativa; conceitos e benefícios; número de presídios que adotam o modelo; exemplo da penitenciária feminina Madre Pelletier; participação da sociedade na justiça restaurativa; 
RS Sem Fronteiras – Bloco 3 < clique para ouvir
Justiça restaurativa; Resolução pacífica de conflitos; Funcionamento de ciclos reparativos e de paz; Utilização dos programas no presídio central e no interior do Estado; Transparência nas ações realizadas dentro dos presídios.
RS Sem Fronteiras – Bloco 4 < clique para ouvir
Relação dos presídios com a sociedade; Necessidade de aprisionamento; Mudança de perfil das penitenciárias; Mudanças de conceitos dentro do sistema penitenciário; Recuperação de apenados; Reação de facções dentro dos presídios.

Texto: Rádio Piratini

Superintendência  dos Serviços Penitenciários

Justiça Restaurativa - Princípios e Estratégias em Resolução de Conflitos

-
-
Justiça Restaurativa - Princípios e Estratégias em Resolução de Conflitos, veja os slides, clique aqui.
-
-

Esma promove simpósio sobre Justiça Restaurativa com 40 vagas para juízes e servidores do TJPB


A partir desta sexta-feira (1º), têm início as inscrições para Simpósio Paraibano de Justiça Restaurativa: Mediação e Reinserção Social, promovido pela Escola Superior da Magistratura (Esma), com apoio do Tribunal de Justiça da Paraíba. O evento terá a participação de palestrantes de reconhecido saber jurídico e propiciará aos seus participantes a possibilidade de publicação de trabalhos.
Conforme a Gerência Acadêmica da Esma, serão ofertadas 40 vagas, sendo 20 para os servidores e 20 para magistrados do TJPB. As inscrições podem ser feitas pelo formulário que segue em anexo e encaminhadas para e-mail: esma@tjpb.jus.br. O simpósio será realizado nos dias 5 e 6 de junho, terça e quarta-feira da semana que vem, na própria Escola Superior da Magistratura, no Bairro do Altiplano, em João Pessoa.
Os trabalhos dos participantes do simpósio devem ser encaminhados para os seguinte grupos: Mediação de Conflitos; Justiça Restaurativa e Justiça Penal; Justiça Restaurativa à Luz dos Direitos Humanos.
Mediação de Conflitos - Pretende discutir a mediação enquanto mecanismo judicial e extrajudicial de resolução de conflitos como forma de realização da justiça, a partir de uma perspectiva inter e transdisciplinar. Analisar diferentes abordagens da mediação em suas dimensões práticas e teóricas. Debater sobre as possibilidades da mediação se constituir em uma ferramenta para o empoderamento dos sujeitos, a educação em direitos humanos, a democratização do acesso à justiça, a construção de uma cidadani a ativa e a ressignificação dos conflitos humanos.
Justiça Restaurativa e Justiça Penal - Pretende examinar a Justiça Restaurativa como novo paradigma de Justiça Penal, sob a ótica do Garantismo Penal. Discutir as penas alternativas como instrumentos da Justiça Restaurativa e de garantia dos direitos humanos. Analisar a execução penal alternativa como meio de reparação do dano sofrido pela vítima, e de ressocialização do infrator.
Justiça Restaurativa à Luz dos Direitos Humanos - O título Justiça Restaurativa à luz dos direitos humanos permite ao pesquisador analisar - sob os mais diversos aspectos - a restauratividade como instrumento de proteção e defesa dos direitos humanos. As práticas restaurativas no campo da educação em/para direitos humanos; a pacificação social havida no contexto da solução negociada do conflito; a conscientização dos sujeitos envolvidos acerca do caráter fragmentador da conduta delituosa e a necessidade de se compreender a restauratividade no sentido da maior aproximação vítima-criminoso-sociedade. Portanto, cuida-se de espaço de discussão sobre as diversas abordagens da Justiça Restaurativa à luz dos direitos humanos da vítima, do criminoso e da sociedade a fim de que novas lentes possam ser lançadas à contribuição de tão relevante tema.
Os resumos serão avaliados pela Comissão Científica do evento, e a publicação dos trabalhos aprovados se dará até o dia 4 de Junho,via e-mail. As regras para o desenvolvimento das teses seguem em anexo.
TJPB/Gecom Fernando Patriota

terça-feira, 29 de maio de 2012

Coordenadoria da Infância implanta projetos no interior de MS


24/05/2012 | Daniela de Matos Moralles
                Campo Grande (MS) - Amanhã (25) o Brasil comemora o Dia Nacional da Adoção, especialmente lembrado pelos grupos de apoio à adoção e pelos profissionais que atuam nas varas da infância. Assim, é natural que as comarcas aproveitem a data para efetivar projetos que abranjam a causa.

                Em Mato Grosso do Sul, a Coordenadoria da Infância e da Juventude - responsável pela implantação de programas e projetos - aproveitou a semana para implantar o Projeto Padrinho, o Projeto Adotar e a Justiça Restaurativa nas comarcas de Jardim e Bonito.

                Em Jardim, mais de 100 pessoas prestigiaram a solenidade de lançamento do Projeto Padrinho, realizada com a presença dos prefeitos de Jardim, Carlos Grubert, e de Guia Lopes, Jácomo Dagostin, além de representantes da sociedade local e de profissionais que atuam na área.

                Nesta quarta-feira (23), uma equipe da Coordenadoria da Infância e da Juventude começou o treinamento de pessoas do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS), Conselho Tutelar, coordenação do abrigo local, área da saúde, educação, CMDCA, além de psicólogos e assistentes sociais do Poder Judiciário que atenderão no desenvolvimento dos projetos.

                A efetivação das ações nas comarcas está nas metas da coordenadoria e, em alguns casos, os juízes também apontam a necessidade da implantação. Em Jardim, o Projeto Padrinho e o Projeto Adotar serão executados pela a psicóloga Lydia Pellat e as assistentes sociais Maria Stela Figueiredo e Ângela Ribas.

                Na comarca existem duas entidades de acolhimento, como são chamados os abrigos: um em Guia Lopes, onde estão abrigadas 12 meninas com idade entre 0 e 14 anos, e outro em Jardim, onde ficam 13 meninos acolhidos, de 7 a 17 anos. A proposta da Projeto Padrinho na localidade é beneficiar as crianças e adolescentes das duas cidades.

                Na capacitação estão as psicólogas Rosa Pires Aquino (da Coordenadoria), Renata Giancursi (da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso de Campo Grande) e Maria Cecília da Costa, analista de medidas socioeducativas para aplicação da Justiça Restaurativa.

                Em Bonito, uma solenidade está sendo preparada pela juíza Paulinne Simões de Arruda que, entusiasmada, vê no lançamento dos projetos a realização de um sonho. Com intensa programação, o evento encerra com destaque as atividades que abrangem o tema adoção.

                De acordo com a juíza, as crianças do Instituto Visão da Vida serão os responsáveis pela apresentação dos hinos nacional, do Estado e do município - tanto pelo canto, quanto pelos instrumentos musicais. Será deles também a responsabilidade de recepcionar os convidados do evento, já que se equilibram em pernas de pau.

                Da abertura participam o Des. Joenildo de Sousa Chaves, Coordenador da Infância e Juventude de MS; a juíza Katy Braun do Prado, titular da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Capital; e a juíza Maria Isabel de Matos Rocha, idealizadora do Projeto Padrinho em Campo Grande no início dos anos 2000.

                Para emocionar o público, dois testemunhos importantes: um casal que recentemente adotou um bebê e uma mulher que tem 14 filhos, sendo 10 adotados. Na cidade de Bonito, cuja população não ultrapassa 20 mil habitantes, existe apenas um abrigo, com 12 crianças - meninos e meninas de 2 a 14 anos. Deste total, apenas quatro estão prontos para adoção.

                “Estamos muito animados com o lançamento dos projetos porque na comarca temos uma peculiaridade: toda vez que se implanta uma proposta nova, a comunidade abraça a causa. Só de anunciarmos o lançamento, muitas pessoas já nos procuraram e se dispuseram a ajudar. As 100 camisetas preparadas para o evento, o coquetel que será servido na solenidade e o espaço físico para a realização da cerimônia de lançamento - tudo é fruto de parcerias já estabelecidas.  Acadêmicas do curso de assistência social já se apresentaram como voluntárias, enfim, as expectativas são grandes - principalmente porque não vamos abraçar somente as crianças abrigadas, mas as que estão em situação de risco e as que são monitoradas pela justiça. Não tenho dúvidas que veremos mudanças na forma de ver a adoção em um curto espaço de tempo”, disse Paulinne.

                Atuarão no Projeto Padrinho, sob supervisão da juíza, a psicóloga Lydia Pellat e a assistente social Eliane Santos. A animação é tamanha que já se criou um e-mail para que a comunidade tenha oportunidade de sanar dúvidas:
bon-projetopadrinho@tjms.jus.br.

                Mais de 300 pessoas estão sendo esperadas para o lançamento, que será realizado no Hotel Zagaia, a partir das 19 horas.



Com informaçãoes do Tribunal de Justiça (TJ/MS)

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Coordenadoria da Infância implanta projetos no interior


O Brasil comemora hoje (25), o Dia Nacional da Adoção, lembrado pelos grupos de apoio à adoção e pelos profissionais que atuam nas varas da infância. Em lembrança à data, a Coordenadoria da Infância e da Juventude, aproveitou a semana para implantar o Projeto Padrinho, o Projeto Adotar e a Justiça Restaurativa nas comarcas de Jardim e Bonito.
Na comarca de Jardim existem duas entidades de acolhimento, como são chamados os abrigos: um em Guia Lopes, onde estão abrigadas 12 meninas com idade entre 0 e 14 anos, e outro em Jardim, onde ficam 13 meninos acolhidos, de 7 a 17 anos. A proposta da Projeto Padrinho na localidade é beneficiar as crianças e adolescentes das duas cidades.
Em Bonito, o projeto será lançado hoje no Hotel Zagaia, a partir das 19h.
Correio do Estado. 

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Coordenadoria da Infância leva projetos ao interior de MS

Amanhã (25) o Brasil comemora o Dia Nacional da Adoção, especialmente lembrado pelos grupos de apoia à adoção e pelos profissionais que atuam nas varas da infância. Assim, é natural que as comarcas aproveitem a data para efetivar projetos que abranjam a causa.

Em Mato Grosso do Sul, a Coordenadoria da Infância e da Juventude - responsável pela implantação de programas e projetos - aproveitou a semana para implantar o Projeto Padrinho, o Projeto Adotar e a Justiça Restaurativa nas comarcas de Jardim e Bonito. 

Em Jardim, mais de 100 pessoas prestigiaram a solenidade de lançamento do Projeto Padrinho, realizada com a presença dos prefeitos de Jardim, Carlos Grubert, e de Guia Lopes, Jácomo Dagostin, além de representantes da sociedade local e de profissionais que atuam na área.

Nesta quarta-feira (23), uma equipe da Coordenadoria da Infância e da Juventude começou o treinamento de pessoas do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS), Conselho Tutelar, 
coordenação do abrigo local, área da saúde, educação, CMDCA, além de psicólogos e assistentes sociais do Poder Judiciário que atenderão no desenvolvimento dos projetos. 

A efetivação das ações nas comarcas está nas metas da coordenadoria e, em alguns casos, os juízes também apontam a necessidade da implantação. Em Jardim, o projeto Padrinho e o Projeto Adotar serão executados pela a psicóloga Lydia Pellat e as assistentes sociais Maria Stela Figueiredo e Ângela Ribas. 

Na comarca existem duas entidades de acolhimento, como são chamados os abrigo: um em Guia Lopes, onde estão abrigadas 12 meninas com idade entre 0 e 14 anos, e outro em Jardim, onde ficam 13 meninos acolhidos, de 7 a 17 anos. A proposta da Projeto Padrinho na localidade é beneficiar as crianças e adolescentes das duas cidades.

Na capapcitação estão as psicólogas Rosa Pires Aquino (da Coordenadoria), Renata Giancursi (da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso de Campo Grande) e Maria Cecília da Costa, analista de medidas socieducativas para aplicação da Justiça Restaurativa.

Em Bonito, uma solenidade está sendo preparada pela juíza Paulinne Simões de Arruda que, entusiasmada, vê no lançamento dos projetos a realização de um sonho. Com intensa programação, o evento encerra com destaque as atividades que abrangem o tema adoção.

De acordo com a juíza, as crianças do Instituto Visão da Vida serão os responsáveis pela apresentação dos hinos nacional, do Estado e do município - tanto pelo canto quanto pelos instrumentos musicais. Será deles também a responsabilidade de recepcionar os convidados do evento, já que se equilibram em pernas de pau.

Da abertura participam o Des. Joenildo de Sousa Chaves, Coordenador da Infância e Juventude de MS; a juíza Katy Braun do Prado, titular da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Capital; e a juíza Maria Isabel de Matos Rocha, idealizadora do Projeto Padrinho em Campo Grande no início dos anos 2000.

Para emocionar o público, dois testemunhos importantes: um casal que recentemente adotou um bebê e uma mulher que tem 14 filhos, sendo 10 adotados. Na cidade de Bonito, cuja população não ultrapassa 20 mil habitantes, existe apenas um abrigo, com 12 crianças - meninos e meninas de 2 a 14 anos. Deste total, apenas quatro estão prontos para adoção.

"Estamos muito animados com o lançamento dos projetos porque na comarca temos uma peculiaridade: toda vez que se implanta uma proposta nova, a comunidade abraça a causa. Só de anunciarmos o lançamento, muitas pessoas já nos procuraram e se dispuseram a ajudar. As 100 camisetas preparadas para o evento, o coquetel que será servido na solenidade e o espaço físico para a realização da cerimônia de lançamento - tudo é fruto de parcerias já estabelecidas. Acadêmicas do curso de assistência social já se apresentaram como voluntárias, enfim, as expectativas são grandes - principalmente porque não vamos abraçar somente as crianças abrigadas, mas as que estão em situação de risco e as que são monitoradas pela justiça. Não tenho dúvidas que veremos mudanças na forma de ver a adoção em um curto espaço de tempo", disse Paulinne. 

Atuarão no Projeto Padrinho, sob supervisão da juíza, a psicóloga Lydia Pellat e a assistente social Eliane Santos. A animação é tamanha que já se criou um e-mail para que a comunidade tenha oportunidade de sanar dúvidas: bon-projetopadrinho@tjms.jus.br.

Mais de 300 pessoas estão sendo esperadas para o lançamento, que será realizado no Hotel Zagaia, a partir das 19 horas. 

terça-feira, 22 de maio de 2012

WORKSHOP JUSTIÇA RESTAURATIVA DIA 01º DE JUNHO EM SP - RUA ARAÚJO Nº 124 - CENTRO - SP- próximo Estação República do Metrô.

WORKSHOP JUSTIÇA RESTAURATIVA DIA 01º DE JUNHO EM SP - RUA ARAÚJO Nº 124 - CENTRO - SP- próximo Estação República do Metrô.

"...restaurar laços sociais, assumir a responsabilidade peos danos e gerar comportamentos futuros mais harmonicos" howard zehr.
O
FERECER INFORMAÇÕES SOBRE OS VALORES E PRINCÍPIOS DA JUSTIÇA RESTAURATVA E AS APLICAÇÕES PRÁTICAS EM DIVERSOS CONTEXTOS.

PÚBLICO ALVO: profissionais da educação, saúde, assistencia social, profissionais e estudantes operadores do direito e psicologia, e da rede de atendimento da infância e juventude

VALOR: R$ 120,00
HORÁRIO : 08;30H ÀS 12:30H E 13:30H ÀS 16:30H DIA 01º DE JUNHO DE 2012

INSCRIÇÕES: www.mediativa.org.br

JUSTIÇA RESTAURATIVA

segunda-feira, 21 de maio de 2012

A justiça restauradora


Negociadores sul-africanos pós-apartheid optaram por anistiar quem admitisse publicamente ter violado direitos humanos, aplicando uma forma de justiça não destinada a ‘punir’, mas a ‘curar’.


Demond Tutu - O Estado de S. Paulo
Durante o período que antecedeu as eleições, os negociadores tiveram de decidir como lidar com o horrendo legado do passado recente. Algumas pessoas, em especial as que tinham feito parte do regime do apartheid, defendiam que uma anistia geral deveria ser promulgada a todos, de modo – assim imaginavam – que o passado seria simplesmente esquecido, não tornando reféns o presente e o futuro. Infelizmente, não existe mágica capaz de nos fazer dizer “agora, vamos esquecer o passado”, que, então esquecido, morreria em silêncio. O passado tem uma capacidade inata de tirar todo tipo de esqueleto do armário para atormentar o presente. Perguntem ao general Pinochet.
Em 1997, Mandela recebia de Tutu o relatório final da Comissão de Reconciliação e Verdade, presidida - Walter Dhladhla/AFP
Walter Dhladhla/AFP
Em 1997, Mandela recebia de Tutu o relatório final da Comissão de Reconciliação e Verdade, presidida
George Santayana declarava frequentemente: “Quem esquece o passado está fadado a repeti-lo”. Além disso, a anistia geral faz a vítima ser vítima uma segunda vez ao oficializar ou o que aconteceu – na verdade, não aconteceu – ou, ainda pior, o que teve pequena importância, de modo que as vítimas não vejam um encerramento da questão e acabem nutrindo ressentimentos que podem ter consequências nefastas para a paz e para a estabilidade por causa da agonia que envenena o espírito e faz ansiar pelo dia da vingança.
Já outros pensavam que o caminho mais fácil seria seguir o exemplo do tribunal de Nuremberg e levar a julgamento todos aqueles publicamente culpados ou suspeitos de cometer graves violações dos direitos humanos. Nuremberg aconteceu porque os aliados derrotaram os nazistas e optaram por impor o que chamaram de justiça dos vencedores. Em nosso caso, nem o governo promotor do apartheid nem os movimentos de libertação do Congresso Nacional Africano (CNA) e do Congresso Pan-Africanista (CPA) tinham a possibilidade de derrotar o lado adversário. Havia um empate em termos militares. É quase certo que as forças de segurança do regime do apartheid conseguiriam debelar qualquer plano de ataque pelo qual, no fim das contas, acabariam sendo apontadas como responsáveis. Além disso, a África do Sul não suportaria mais longos julgamentos, nem o já sobrecarregado sistema judicial conseguiria suportar o esforço.
Assim, os negociadores optaram por assumir um compromisso mútuo: anistia individual, em vez da anistia geral, em troca de toda a verdade a respeito do crime pelo qual se estava fazendo o pedido. “Anistia em troca da verdade?”, muitos se perguntaram, com uma preocupação genuína. “E quanto à justiça? Isso não equivale a incentivar a impunidade?” Antes de tudo é necessário ressaltar que esse jeito de lidar com a situação foi proposto exclusivamente para esse delicado período de transição, ad hoc – de uma vez para sempre. Em vez de incentivar a impunidade, a opção escolhida para seguir adiante ressaltava a responsabilidade, já que quem procurasse a anistia deveria admitir ter cometido um crime. Inocentes e aqueles que alegavam inocência, obviamente, não necessitavam de anistia.
Alguns argumentaram que isso significaria deixar os culpados escaparem ilesos. Significaria mesmo?
Todos sabem como é difícil dizer “sinto muito”. São duas das palavras mais difíceis de qualquer língua. Não acho fácil dizê-las nem na privacidade do meu quarto para minha esposa. Posso imaginar, portanto, o que deve ter significado para alguns deles terem de confessar publicamente, sob as lentes das câmeras de televisão. Era comum culpados serem considerados respeitáveis membros de sua comunidade. Provavelmente aquela seria a primeira vez que a família ouviria que aquele aparente bastião de virtude era, na verdade, membro de uma equipe policial responsável por torturas diárias de presos, ou que pertencia a um esquadrão da morte que tratava assassinatos como acidentes de percurso do depravado sistema de apartheid. O estigma da vergonha e da humilhação pública é um preço alto a se pagar, em alguns casos levando esposas ao choque e ao consequente pedido de divórcio.
Usar o argumento do “escapar ileso” significaria pensar apenas em termos de justiça punidora, cuja raison d’être é punir o perpetrador do crime. Há outro tipo de justiça: a restauradora, cujo propósito não é punir, mas curar. Ela estabelece como ponto central a humanidade até dos culpados das piores atrocidades, sem desistir de ninguém, acreditando na bondade essencial de todos que foram criados à imagem de Deus, defendendo que mesmo o pior de nós é filho de Deus e tem o potencial de ser uma pessoa melhor, alguém que pode ser salvo, reabilitado, que não precisa ser alienado, mas sim reintegrado à comunidade. A justiça restauradora acredita que um crime cause uma brecha, perturbe o equilíbrio social, o qual deve ser recuperado e a brecha, fechada, em um processo em que ofensor e vítima possam se reconciliar e retornar à paz.
ESTE TEXTO, EXTRAÍDO DE PALESTRA FEITA EM 2004 POR DESMOND TUTU, É PARTE DO LIVRO DEUS NÃO É CRISTÃO (EDITORA THOMAS NELSON BRASIL), COMPILAÇÃO DE DISCURSOS E MENSAGENS DESTE GANHADOR DO PRÊMIO NOBEL DA PAZ. O LIVRO TEM LANÇAMENTO PREVISTO PARA O DIA 28 DE MAIO.
O Estado de São Paulo. 19 de maio de 2012 | 17h 02

TJDFT encerra curso de Mediação Básica nesta quinta-feira

Imagem notícia




A juíza Lea Martins Sales, da 2ª Vara Criminal de Samambaia, encerrou nesta quinta-feira, 17/5, o curso de Mediação Básica promovido pela Escola de Administração Judiciária do TJDFT - Instituto Ministro Luiz Vicente Cernicchiaro. 

A juíza é uma das Coordenadoras do Programa Justiça Restaurativa no TJDFT, que é realizado no Fórum do Núcleo Bandeirante. Segundo a magistrada, com os cursos sobre o tema realizados pela Escola de Administração Judiciária, é possível ter pessoal capacitado para atuar no programa específico, que busca resgatar a convivência pacífica no ambiente afetado pelo crime. 

A juíza enfatizou ainda os princípios fundamentais para o trabalho de mediação, como ética e respeito ao próximo, e destacou: "No futuro, para uma justiça justa, é preciso pensar na mediação e justiça restaurativa como política criminal para resolução de conflitos". 

O programa Justiça Restaurativa funciona no Fórum do Núcleo Bandeirante, coordenado pelos juízes Léa Sales e Asiel Henrique de Souza, e busca propiciar que vítima e agressor se encontrem em ambiente adequado e seguro, para que, de forma consensual, os infratores compreendam a dimensão das sequelas materiais e psicológicas de seus atos e decidam por não repeti-los, resgatando, portanto, a convivência pacífica no ambiente afetado pelo crime. 


TJDFT

Seduc tem até 30 de junho para combater violência nas escolas


A Secretaria Municipal de Educação de Santos (Seduc) tem até 30 de junho para implantar o programa de Justiça Restaurativa nas escolas do Município.

O prazo foi deliberado em resolução do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), publicada este mês no Diário Oficial do Município.


Créditos: Alexsander Ferraz
Objetivo da iniciativa é combater a violência nas escolas usando o processo colaborativo

A filosofia do programa é combater a violência nas unidades de ensino por meio da adoção de um processo colaborativo, em que as partes afetadas por uma infração ou crime determinam a melhor forma de reparar o dano.

Como explica o presidente do CMDCA, Paulo Affonso Galati Murat Filho, em 2009 a Seduc obteve, junto ao Conselho, a aprovação de um projeto para implantação do programa, denominado Círculos Restaurativos. 

Com isso, a pasta garantiu uma verba de R$ 320 mil. Entretanto, o dinheiro empenhado não pôde ser aproveitado, porque a Secretaria perdeu o prazo (outubro do ano passado) para concretizar o projeto.

Em matéria publicada em A Tribuna no dia 11 de novembro do ano passado, a Seduc alegou falta de instrumentos legais para a contratação da única empresa que se apresentou como habilitada na execução do programa, com dispensa de licitação. 

Murat Filho, que também é secretário Municipal de Defesa e Cidadania, ressaltou que a iniciativa agora terá de ser financiada com recursos do orçamento. “A verba anterior não poderá mais ser usada. Soube que agora há uma equipe trabalhando para concretizar a ideia”.

Conforme a Resolução 180 do CMDCA, a Justiça Restaurativa é um modelo baseado na resolução de conflitos, a partir de uma lógica distinta da punitiva e retributiva. Os valores que a regem são: “empoderamento, participação, autonomia, respeito, busca de sentido e de pertencimento na responsabilização pelos danos causados, mas também na satisfação das necessidades emergidas a partir da situação de conflito”. 



A Tribuna.

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...