“É chegada a hora de inverter o paradigma: mentes que amam e corações que pensam.” Barbara Meyer.

“Se você é neutro em situações de injustiça, você escolhe o lado opressor.” Desmond Tutu.

“Perdoar não é esquecer, isso é Amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer. Isso é cura. Por isso é uma decisão, não um sentimento.” Desconhecido.

“Chorar não significa se arrepender, se arrepender é mudar de Atitude.” Desconhecido.

"A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo ... se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." (N. Mandela).

"As utopias se tornam realidades a partir do momento em que começam a luta por elas." (Maria Lúcia Karam).


“A verdadeira viagem de descobrimento consiste não em procurar novas terras, mas ver com novos olhos”
Marcel Proust


Pesquisar este blog

sábado, 22 de novembro de 2008

MJ articula instalação de projeto de justiça restaurativa na Bahia

Brasília, 20/11/08 (MJ) – A Secretaria de Reforma do Judiciário (SRJ) recebeu nesta quarta-feira (19) uma comitiva do Tribunal de Justiça da Bahia e da defensoria e da Defensoria Pública da Bahia, em Brasília para conhecer a experiência local em Justiça Restaurativa – método que coloca vítima e agressor frente a frente para tentar uma solução pacífica e negociada para um conflito.

Na capital, o projeto piloto funciona na cidade-satélite de Núcleo Bandeirante, visitado pela defensora pública Andrea Tourinho, pela juíza baiana Joanice Guimarães e comitiva, na companhia do assessor da Secretaria de Reforma do Judiciário (SRJ) Marcelo Vieira de Campos, responsável pela discussão do tema no Ministério da Justiça, e pelo coordenador do projeto de Justiça Restaurativa de Brasília, juiz Asiel Henrique de Sousa.

A intenção, segundo Vieira, é usar o aprendizado obtido com o projeto em Brasília como base para a instalação de um núcleo desses no estado. “Precisamos ampliar essa experiência exitosa de pacificação de conflitos. Buscar o judiciário nem sempre satisfaz o desejo de reparação da vítima. Precisamos dar a ela a chance de reconciliação, de diminuir o dano emocional que lhe foi causado”, diz ele, sobre os objetivos da proposta.

A escolha dos casos em que as práticas restaurativas serão adotadas é feita pelo juiz. A adesão das partes é voluntária. Em caso de acordo, o processo é suspenso e encaminhado ao técnico responsável, que dá início à preparação para o círculo restaurativo supervisionado por uma equipe multidisciplinar que inclui psicólogos e assistentes sociais.

Caso as partes não aceitem utilizar esse método ou caso o juiz não homologue o acordo firmado entre vítima e agressor, a ação passa a tramitar pela forma tradicional. O juiz Asiel Henrique de Souza defende o método da Justiça Restaurativa. “A idéia é trabalhar com voluntários. No caso da Bahia, há a intenção de fazer um convênio com a Secretaria de Educação para que os professores atuem de um lado como mediadores e de outro, como multiplicadores dessa cultura de paz”, explica.


MJ. 20/11/2008 - 17:31h

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

...

...